Pedro Paulo (PMDB) minimiza agressão a ex-mulher e aumento da rejeição

Pedro Paulo (PMDB) minimiza agressão a ex-mulher e aumento da rejeição

Pedro Paulo chegou ao local de votação por volta das 10h, acompanhado pelo prefeito Eduardo Paes (PMDB) E a candidata a vice, Cidinha Campos

Constança Rezende, O Estado de S.Paulo

02 de outubro de 2016 | 11h51

RIO - O candidato do PMDB à Prefeitura do Rio de Janeiro, Pedro Paulo, voltou a minimizar a repercussão negativa dos registros de agressão contra sua ex-mulher, após votar na sede de uma escola de idiomas no bairro da Taquara, zona norte da cidade. A pesquisa Datafolha divulgada neste sábado, 1º,  mostra que a rejeição a Pedro Paulo cresceu entre os eleitores, mas o candidato afirmou não olhar para os índices de rejeição.

Pedro Paulo chegou ao local de votação por volta das 10h, acompanhado pelo prefeito Eduardo Paes (PMDB), pela mulher Tatiana Infante e os três filhos Luca, 2, Manuela, 11 e Mateu, 4.

Na pesquisa Datafolha, Pedro Paulo aparece em terceiro lugar, com 12% das intenções de voto. Marcelo Crivella (PRB) lidera com 32%, seguido por Marcelo Freixo (PSOL), com 16%. 

"A disputa ainda está enrolada, aberta. Eu olho é para a aprovação, não para a rejeição. Estamos trabalhando com a aprovação do nosso governo, aquilo que nós fizemos. Isso é que vai estar em jogo. Acho que a população já conhece o conjunto dos candidatos, os que fizeram e os que não fizeram. Aquilo que foi julgado, aquilo que eu fui inocentado. Essa que é a reflexão que o eleitor deve fazer hoje. Avaliar o que fizemos que propostas para os próximos quatro anos", disse Pedro Paulo.

Candidata a vice prefeita na chapa de Pedro Paulo, Cidinha Campos acompanhou a votação e mostrou irritação quando uma jornalista fez uma pergunta sobre o caso de agressão. Pedro Paulo atacou seus principais adversários, referindo-se a Crivella como bispo (ele se licenciou do posto na Igreja Universal do Reino de Deus) e ligando Freixo à ideia de anarquia.

"Temos o risco de candidaturas com dificuldade de agregar coligações. De um lado o bispo Crivella, o (Anthony) Garotinho (ex-governador, do PR). Do outro, uma visão mais radical, mais anárquica da cidade. E a minha, que significa o que fizemos nesses oito anos, uma cidade que dialoga", afirmou o candidato do PMDB. 

Mais cedo, durante a votação de Eduardo Paes,  o prefeito também partiu para o ataque às candidaturas de Crivella e Freixo, acompanhado de Pedro Paulo, em São Conrado. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.