Pedetista é contratado por fundação, diz pasta

A Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho afirmou, por meio de sua assessoria de imprensa, que Alexandre Pereira da Silva é contratado da Fundac (Fundação para o Desenvolvimento das Artes e da Comunicação), que mantém contrato com o órgão. De acordo com a secretaria, "o escopo do contrato é prestar serviços de assistência técnica à coordenação de políticas de emprego e renda ao Programa Estadual de Qualificação Profissional".

O Estado de S.Paulo

18 de julho de 2012 | 03h08

Filho do deputado Paulo Pereira da Silva, candidato do PDT à Prefeitura de São Paulo e presidente licenciado da Força Sindical, Alexandre é, na prática, coordenador de Operações, responsável pela implementação dos PAT (Postos de Atendimento ao Trabalhador) pelo Estado.

Questionado sobre o fato de Alexandre, que é administrador de empresas, atuar numa coordenadoria para a qual oficialmente não foi nomeado, a assessoria de imprensa da secretaria afirmou que "o site da secretaria será corrigido", numa referência à notícia da própria pasta, em que apresenta o filho de Paulinho como o coordenador de Operações.

A Secretaria do Emprego e Relações de Trabalho não comentou o fato de Alexandre ser cunhado de Cristiano Vilela de Pinho, que é chefe de gabinete do secretário Carlos Ortiz, outro indicado para a função pelo deputado do PDT.

Indagada sobre as nomeações de pessoas ligadas aos quadros do partido nos escritórios regionais da secretarias, a pasta afirmou que "todos têm ou tiveram atuação no movimento sindical ou no serviço público. Suas indicações foram realizadas atendendo aos dispositivos legais".

Sobre a nomeação do ex-assessor de Paulinho, Luciano Martins Lourenço, para coordenador de Políticas de Inserção no Mercado de Trabalho, a pasta afirmou que "ele é graduado em direito pela Universidade Paulista, foi diretor do Sindicato dos Químicos da Baixada Santista e diretor de Relações Sindicais da Força Sindical".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.