Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

PDT faz aceno ao PSB em troca de apoio ao Planalto

Partido do presidenciável Ciro Gomes pode abrir mão de candidaturas a governador em Estados onde os pessebistas têm nomes competitivos

Igor Gadelha, O Estado de S.Paulo

10 Maio 2018 | 05h00

BRASÍLIA - A cúpula do PDT sinalizou que poderá abrir mão de candidaturas a governador em Estados onde o PSB possui nomes competitivos. Em troca, o partido quer o apoio formal dos pessebistas à candidatura presidencial do ex-ministro Ciro Gomes. Sem o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal Joaquim Barbosa, que desistiu da disputa, o PSB ainda não definiu que caminho adotar na eleição para o Palácio do Planalto.

+  Joaquim Barbosa confirma que não será candidato à Presidência

Entre os Estados em que o PDT poderá desistir de candidaturas próprias está a Paraíba, além do Distrito Federal. No DF, o partido pode abrir mão de lançar o presidente da Câmara Legislativa, Joe Valle, e apoiar a reeleição do governador Rodrigo Rollemberg (PSB).

Na Paraíba, a cúpula do PDT já trabalha para demover a vice-governadora Lígia Feliciano da intenção de ser candidata ao governo. No Estado, o PSB tem como candidato o ex-secretário João Azevedo. Ele tem como principal cabo eleitoral o atual governador, o pessebista Ricardo Coutinho, que não pode mais se reeleger. 

+ William Waack - Sem ‘outsider’

O cenário eleitoral no Amapá é hoje um dos que mais atrapalham uma eventual negociação entre PSB e PDT. No Estado, os dois partidos são adversários ferrenhos. Filiado ao PDT, o governador Waldez Góes tentará a reeleição e o senador João Capiberibe, do PSB, já lançou pré-candidatura a governador contra o pedetista. 

Como as duas forças políticas são “majoritárias” no Estado, o PDT avalia que será muito difícil uma negociação entre elas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.