Paulo Vieira recebe censura ética por acúmulo de cargos públicos

A Comissão de Ética Pública da Presidência da República decidiu aplicar uma censura ética contra o diretor afastado da Agência Nacional de Águas (ANA), Paulo Vieira, apontado como chefe de uma quadrilha que negociava pareceres técnicos, desmantelada pela Operação Porto Seguro.

BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

29 de janeiro de 2013 | 02h06

A sanção deve-se ao fato de Vieira ter acumulado dois cargos públicos - e não pelo envolvimento com o esquema. Além do cargo na ANA, o ex-diretor era conselheiro da Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp), em vaga reservada ao Ministério dos Transportes no Conselho de Administração da empresa.

Segundo o inquérito da PF, em 24 de abril de 2011, Paulo ligou para seu irmão Rubens, diretor afastado da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), e relatou ter recebido um ofício da Comissão de Ética que afirmava que ele não poderia acumular os cargos.

A comissão ainda não deliberou sobre a Porto Seguro. O caso envolvendo os irmãos Vieira e a ex-chefe de gabinete da Presidência em São Paulo Rosemary Noronha será analisado pela conselheira Suzana de Camargo Gomes. / DÉBORA ÁLVARES

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.