Partidos se acertam para evitar brigas em atos eleitorais

Partidos se acertam para evitar brigas em atos eleitorais

Depois de confronto, PT e PSDB conversam e reorientam ação de militantes em campanha que marca volta do eleitor aos atos de rua

Ricardo Chapola, O Estado de S. Paulo

24 de outubro de 2014 | 22h35


O clima de tensão entre militantes de rua das campanhas de Dilma Rousseff e Aécio Neves na reta final da disputa pela Presidência fez com que os partidos fechassem nesta sexta-feira, 24, um acordo para tentar impedir novos conflitos. 

Na sexta, o PT realizou um comício com a presença do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na região central de São Paulo. Depois, cerca de 3 mil petistas, segundo a Polícia Militar, caminharam até a praça da Sé. A agenda foi organizada sem que os coordenadores da campanha de Dilma soubessem que os tucanos também tinham um ato previsto na mesma região e marcado para o mesmo horário. 

Tão logo souberam, o presidente do PT paulista, Emídio de Souza, telefonou para Edson Aparecido, um dos coordenadores da campanha de Aécio, pedindo o adiamento da passeata do PSDB. Os tucanos decidiram cancelar o evento de última hora e reagendaram para este sábado. Alguns apoiadores de Aécio, porém, não ficam sabendo e apareceram no centro. O clima foi amistoso. 

No dia anterior, também no centro de São Paulo, militantes do PT e do PSDB se agrediram depois de participar de atos de apoio a Dilma e a Aécio em locais próximos um do outro. No começo da semana, em Uberaba, interior de Minas Gerais, um grupo de dez estudantes de medicina causaram confusão durante um ato de campanha de Dilma ao protestarem contra o programa Mais Médicos. Com adesivos e bandeiras de Aécio, eles acabaram sendo expulsos do evento por militantes do PT. 

Gente na rua. A despeito do clima tenso, esta campanha tem sido marcada pela volta da militância dos partidos às ruas. 

Na segunda-feira, Dilma participou de um ato na PUC de São Paulo em que resgatou antigos apoiadores do partido. Os tucanos não quiseram ficar atrás e realizaram na quinta-feira, 23, um ato na universidade, que se transformou num microcosmo do acirramento da atual campanha pela Presidência. 

Os tucanos também realizaram na terça-feira, com a presença do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, um grande ato no Largo da Batata, na zona oeste paulistana. Os petistas também foram ao largo na quinta, para marcar presença. / COLABORARAM RICARDO GALHARDO E PEDRO VENCESLAU

Tudo o que sabemos sobre:
eleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.