Partido invoca FH ao criticar indecisão tucana

Ao mesmo tempo em que pede aos militantes cordialidade com os partidos da base aliada, o Diretório Nacional do PT enfatiza na resolução aprovada ontem sua rivalidade com o PSDB, ao chamar a sigla de "nau sem rumo".

O Estado de S.Paulo

14 de dezembro de 2011 | 03h05

O comando petista usou uma frase recente do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso - "É mais fácil falar do futuro do euro do que o do PSDB" - para criticar os tucanos e alfinetar a indefinição da legenda na escolha de seu candidato à Prefeitura de São Paulo em 2012.

A partir da afirmação de Fernando Henrique o PT identifica a existência de uma "profunda crise programática do neoliberalismo brasileiro".

"(Fernando Henrique) descreveu a nau sem rumo em que se converteu o principal partido da oposição conservadora do País. Se o Brasil ainda estivesse sob o jugo dos tucanos, estaria arremetido no turbilhão da crise internacional, com milhões de desempregados, e se veria face a novas privatizações e ameaças à soberania nacional", avalia o PT.

Em uma versão anterior, discutida na semana passada em Belo Horizonte, FHC era chamado de "guru-mor" pelos autores do documento. A expressão, porém, foi retirada da redação final, aprovada em reunião ontem na sede do partido, em São Paulo.

Apesar do ataque, a direção petista afirma que não se deve "subestimar a oposição", que "dirige governos importantes e, mesmo sendo minoritária na sociedade, possui bases eleitorais significativas". "Sua ação, no entanto, hoje se desenrola no plano das denúncias sem coragem de assumir suas concepções econômicas e sociais que são da mesma natureza daquelas geradoras da crise internacional."

O texto também descreve as consequências da crise financeira mundial, responsabiliza o neoliberalismo e defende o controle da economia pelos governos.

Na mesma reunião, o PT marcou para 20 de fevereiro um encontro nacional para começar a traçar os programas dos candidatos às prefeituras brasileiras, em evento em Porto Alegre. / B.B.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.