Parlamentares do PP quase brigam por Negromonte

Isolado e sem apoio da maioria da bancada do PP na Câmara e no Senado, o ministro Mário Negromonte (Cidades) transformou-se em um figurante dentro do próprio partido. O racha ficou evidente ontem em reunião do partido em que os poucos deputados que tentaram sair em sua defesa foram impedidos pelo presidente da sigla, senador Francisco Dornelles (RJ).

O Estado de S.Paulo

14 de dezembro de 2011 | 03h07

"Cargo não me comove. Não tenho apego e não fico de joelho para ninguém por causa de cargo", disse Negromonte. O ministro, ao tentar mostrar força dentro do partido, contou que há um abaixo-assinado com quase 30 assinaturas - do total de 38 deputados - que apoiam sua permanência na pasta.

Segundo o secretário de Infraestrutura do Paraná, Ricardo Barros, o deputado Roberto Brito (BA) foi quem começou a passar o documento na bancada a pedido de Negromonte. "Agora estão querendo transformar isso em uma moção de apoio ao Negromonte. Mas aí vai todo mundo tirar a assinatura", previu Barros.

Ao sair em defesa de Negromonte, o deputado Vilson Covatti (RS) quase bateu boca com Dornelles. O senador disse ao colega que ele estava "criando constrangimento para todo mundo, para grande parte do partido". Covatti não gostou, e Dornelles depois pediu desculpas. Mas não perdeu a piada: "Não há reunião política sem bêbado e sem doido. Isso dá sorte". / EUGÊNIA LOPES

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.