Parlamentares criticam nepotismo em empresa pública

Parlamentares condenaram a atitude do ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra Coelho, de usar uma brecha na lei para manter seu irmão, Clementino Coelho, como presidente da Codevasf. O caso de nepotismo foi revelado ontem pelo Estado.

O Estado de S.Paulo

08 de janeiro de 2012 | 03h04

O presidente do DEM, senador Agripino Maia (RN), disse que os ministérios funcionam hoje como "feudos dos partidos", "A democracia que o PT implementa baseia-se em domar a base pela cessão de pedaços do governo."

O senador Paulo Paim (PT-RS) também demonstrou descontentamento. "A gente só tem a lamentar quando uma lei clara e específica é ignorada pelas autoridades, ainda que por via transversal".

O Ministério da Integração Nacional negou ontem, em nota, que tenha havido nepotismo. "Clementino de Souza Coelho ocupa o cargo de acordo com o estatuto da empresa e orientação da Controladoria-Geral da União."

Anteontem, após o Estado questionar o governo sobre o caso, a Casa Civil alegou que a indicação de Guilherme Almeida para a chefia da Codevasf foi feita há cerca de 50 dias. A pasta da Integração não explica porque Bezerra fez essa indicação só no fim de 2011. /ROSA COSTA E FELIPE RECONDO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.