JF Diório/AE
JF Diório/AE

Para vice de Haddad, falta experiência a Russomanno

Nádia Campeão concordou com declaração do petista de que candidato do PRB seria 'salto no escuro'

Guilherme Waltenberg, de O Estado de S. Paulo

11 de setembro de 2012 | 17h50

A candidata a vice na chapa de Fernando Haddad (PT), Nádia Campeão (PcdoB), endossou as críticas feitas na segunda-feira, 10, por Haddad ao candidato do PRB, Celso Russomanno, de que ele seria um "salto no escuro". Após dizer que o comentário foi "muito bem colocado", Nádia afirmou que a campanha do líder nas intenções de votos é "vazia de proposições". "Nesse sentido acho que a candidatura de Celso Russomanno apresenta muita dificuldade. Não existe um conjunto de propostas consistentes. É uma campanha, em certo sentido, muito vazia de proposições para o nível de exigência da cidade de São Paulo. Estamos falando de coisas muito complexas e enormes responsabilidades", afirmou na tarde desta terça, durante a série Entrevistas Estadão, exibida no site www.estadao.com.br.

Para a candidata, que já foi secretária municipal do Esporte (2001-2004) e candidata à vice-governadora em 2006, na chapa do petista Aloizio Mercadante, Russomanno não tem experiência administrativa suficiente para ser prefeito. "Pesa uma insuficiente experiência administrativa e capacidade de juntar políticas, inteligências, forças sociais que possam governar, porque nunca é o candidato sozinho (que governa), ele tem as forças que o apoiam", disse.

Russomanno lidera isoladamente a disputa eleitoral com 35% das intenções de votos, de acordo com a última pesquisa Datafolha divulgada no dia 5. Nádia atribuiu a posição de Russomanno ao fato de ele ter apresentado um programa na televisão (ele tinha o quadro "Patrulha do Consumidor" na rede Record). "Depois que ele ingressou no PRB e se dispôs a ser pré-candidato do PRB (à Prefeitura), essa exposição até aumentou. Então, as pessoas o conhecem. É a comunicação em massa mais importante que temos no País", analisou. Além disso, ela atribuiu seu crescimento a uma "insatisfação da população" com o governo de Gilberto Kassab (PSD).

 

Instada a dar uma nota à administração do atual prefeito, Nádia recusou-se a usar números, disse apenas ter uma avaliação "insuficiente" da gestão. Para ela, esse é o grande motivo do atual segundo colocado nas pesquisas de intenção de votos, o candidato do PSDB, José Serra, que leva o apoio de Kassab, estar caindo nas pesquisas. "A opinião principal (sobre Kassab) é da população, que está muito insatisfeita e isso está impactando na candidatura de quem o prefeito está apoiando, o candidato José Serra, que está sofrendo bastante esse impacto."

Mesmo com opinião negativa com relação à administração do prefeito, Nádia defendeu a presença de seu partido na atual administração. O secretário especial de Articulação para a Copa do Mundo, Gilmar Tadeu Alves, é seu correligionário. "Encaramos nossa presença nessa secretaria como uma forma de colaborar nessa intersecção dos três níveis de governo (municipal, estadual e federal) com interesse quase suprapartidário para realizar uma Copa do Mundo exitosa", defendeu a candidata.

A campanha de Haddad tem criticado o déficit vagas em creches, estimado de 150 mil, na cidade de São Paulo. Com esse mote, Nádia afirmou que, em um eventual governo de Haddad, "no primeiro dia" já seriam selecionados os locais para a construção de novas unidades. "Nos quatro anos de governo iremos zerar esse déficit", prometeu.

Questionada qual seria o papel de seu partido no governo, disse que isso ainda não está definido, mas garantiu a presença. "Certamente o PCdoB terá seu espaço e participação. Não está previamente acordado, mas acho natural que a gente participe, assim como os outros partidos da aliança (PP e PSB)".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.