Para poupar Dilma, Lula desiste de encontro

Petista não vai a Natal dos catadores para evitar que escândalos ofusquem sucessora

JOÃO DOMINGOS / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

21 de dezembro de 2012 | 02h09

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não participará do Natal dos catadores de papel, na companhia da presidente Dilma Rousseff, em evento marcado para hoje, em São Paulo. A assessoria de Lula informou que o ex-presidente foi convidado pelos catadores, mas não irá. Foi lembrado ainda que, em novembro, Lula esteve na abertura da ExpoCatadores, no Anhembi.

Desde que assumiu o governo, em 2003, Lula participou de todos os encontros de fim de ano com os catadores. No ano passado, não foi porque estava fazendo tratamento de um câncer na laringe, recém-descoberto. No Palácio do Planalto, a informação é de que o ex-presidente havia sido convidado por Dilma e que ainda não dera uma resposta sobre a possibilidade de ir. Em 2010, Lula levou a presidente eleita à festa.

"Se Deus quiser, levarei a Dilma para passar o bastão lá", disse Lula no dia 17 de dezembro de 2010, em discurso realizado na reunião do Conselho Nacional de Economia Solidária, no Palácio do Planalto. Na ocasião, Lula queixou-se da cobertura dos meios de comunicação sobre o trabalho das cooperativas. "Todo esforço que fizemos nesses oito anos não foi levado em conta. Uma briga de duas pessoas na rua tem mais importância que uma conferência para discutir cooperativas", disse ele.

Nos bastidores, tanto do Planalto quanto do PT, fala-se que Lula, embora convidado, dispensou a ida ao evento com Dilma porque acha que chamará muito a atenção por outros motivos. Entre eles, prováveis perguntas sobre escândalos recentes, como o que envolveu Rosemary Noronha, ex-chefe do escritório da Presidência em São Paulo, indiciada pela Polícia Federal e denunciada pelo Ministério Público Federal por formação de quadrilha, corrupção passiva, tráfico de influência e falsidade ideológica. Rose foi investigada por suposto envolvimento com uma organização acusada de vender pareceres técnicos favoráveis a empresas em órgãos do governo federal.

Também tem tirado o ex-presidente do sério o depoimento do empresário Marcos Valério à Procuradoria-Geral da República, no dia 24 de setembro, segundo o qual o esquema do mensalão teria pago despesas pessoais de Lula. No depoimento, Valério disse que o ex-presidente autorizou empréstimos nos bancos BMG e Rural, cujo dinheiro foi repassado ao PT. Por intermédio de amigos, do PT e de sua assessoria, Lula rebateu todas as afirmações de Valério.

Anteontem, ao participar de solenidade de posse da nova diretoria do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, Lula disse que o sucesso dele é o que mais machuca seus adversários. Lula previu ainda que vencerá todos os que o combatem: "Se ficar um vagabundo numa sala com ar condicionado falando mal de mim, vai perder".

Agenda. Ontem, em churrasco com assessores do Instituto Lula e aliados políticos, Lula manifestou preocupação em como conciliar sua agenda de palestras em 2013 e o desafio que se lançou: voltar a viajar pelo Brasil sem ofuscar Dilma num ano decisivo para a eleição presidencial de 2014, segundo participantes da confraternização. Após o Natal, Lula deve viajar com a família e volta ao trabalho em janeiro.

O ex-ministro da Casa Civil José Dirceu destacou ontem a declaração de Lula de que pretende voltar a percorrer o País. Para Dirceu, a fala "não teve o merecido destaque", mas representa a uma reedição das caravanas da cidadania que ele fez até 2002. "Foram aquelas caravanas que o tornaram o mais preparado dentre os candidatos a presidente da República até então e lhe possibilitaram os dois governos (2003-2010) plenos de realizações", escreveu o ex-ministro em seu blog. / COLABOROU DAIENE CARDOSO, DA AGÊNCIA ESTADO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.