Para petista, Bezerra deve se autoconvocar

O deputado federal André Vargas (PT-PR), secretário nacional de Comunicação do partido, afirmou ontem faltar "republicanismo" na distribuição das verbas do Ministério da Integração Nacional e indicou ver ingerência política na Defesa Civil.

FERNANDO GALLO, O Estado de S.Paulo

06 de janeiro de 2012 | 03h09

"Acho que a Defesa Civil tem que ser tratada como política nacional e não pode ficar subordinada a interesses político-partidários aqui e acolá. A defesa civil é algo que mexe com as vidas humanas, com pessoas", afirmou Vargas, que disse falar "como deputado do Paraná". "O que estou dizendo é uma posição pessoal, não do partido."

O deputado petista sustentou que o titular da pasta, Fernando Bezerra, deveria ir voluntariamente ao Congresso prestar contas de sua gestão. "Eu acho que nem precisaria (ser convocado por deputados e senadores). O ministro teria que se autoconvocar, se dispor a ir lá e abrir esse debate. É obrigação dele. É da natureza da função do ministro prestar contas ao Congresso Nacional", observou.

André Vargas avaliou que o fato de o ministério ter sido comandado nos últimos anos por políticos do Nordeste fez com que a região fosse privilegiada na destinação de verbas. "Ocorre que os Estados do Sul e do Sudeste têm sido sistematicamente vítimas de enchentes, vendavais, desmoronamentos, mortes, e (a Defesa Civil) tá dentro do Ministério da Integração."

O deputado disse ter recebido com "preocupação" a informação de que o ministério destinou, em 2011, 90% das verbas de prevenção de desastres naturais para Pernambuco, Estado de Fernando Bezerra. "Essa notícia de Pernambuco deixou os paranaenses preocupados. Até porque só recebemos 1,5% dos recursos", afirmou. "Vi o governador (do Paraná) Beto Richa elogiando o ministro. Mas se os recursos chegaram a Pernambuco, poderiam ter chegado ao Paraná."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.