Para manter Educação,PT já fala em Mercadante

O ministro da Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante, poderá mudar de posto na reforma da equipe da presidente Dilma Rousseff, prevista para o fim de janeiro de 2012. Embora Dilma ainda não tenha decidido quem será o sucessor do ministro da Educação, Fernando Haddad - pré-candidato do PT à Prefeitura de São Paulo -, o nome de Mercadante começou a ser citado para ocupar a vaga.

VERA ROSA / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

12 de novembro de 2011 | 03h03

Auxiliares de Dilma e dirigentes do PT lembram que, em agosto, o titular de Ciência e Tecnologia chegou a ser convidado, antes de Celso Amorim, para assumir a cadeira de Nelson Jobim no Ministério da Defesa.

À época, ele só não trocou de cargo porque não quis. Jobim caiu porque fez declarações políticas consideradas infelizes pelo Palácio do Planalto.

Quando era senador, Mercadante apresentou proposta que previa a instalação de computadores com banda larga em todas as escolas públicas, até 2013. Hoje, um de seus xodós no ministério é justamente o projeto de inclusão digital na educação, por meio de tablets. Indicado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Mercadante se aproximou muito de Dilma e, segundo consta, surpreendeu por sua discrição. A presidente não aprecia colaboradores que querem aparecer mais do que o governo.

O nome da senadora Marta Suplicy (PT-SP) também frequentou a bolsa de apostas para a Educação, principalmente depois que ela abriu mão de disputar uma prévia contra Haddad, atendendo a apelo de Lula e Dilma. No Planalto, porém, o comentário é que, ao menos por enquanto, a presidente quer Marta ajudando o governo no Senado.

Se Dilma optar por alguém com perfil mais técnico, o PT levará a ela duas sugestões: Luiz Cláudio Costa, secretário de Educação Superior, e José Henrique Paim Fernandes, secretário executivo do ministério. Corre por fora o deputado Newton Lima (PT-SP), ex-reitor da Universidade Federal de São Carlos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.