Para José Dirceu, oposição 'judicializa embate político'

O ex-ministro da Casa Civil José Dirceu disse ontem que o pedido feito pela oposição para que a Procuradoria-Geral da República investigue o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é uma tentativa de "judicializar o embate político" após as eleições. "Derrotada nas urnas, a oposição apela para um pedido tecnicamente inconsistente e desesperado", escreveu em seu blog. Dirceu destaca o fato de a representação não contar com a adesão das direções nacionais do PSDB e DEM.

ISADORA PERON, O Estado de S.Paulo

08 de novembro de 2012 | 02h04

Um grupo, capitaneado pelo presidente do PPS, deputado Roberto Freire, pede investigação sobre a suposta participação de Lula no mensalão e sobre eventual motivação política no assassinato do ex-prefeito de Santo André Celso Daniel, em 2002.

O pedido foi feito após o Estado revelar na semana passada que o empresário Marcos Valério, condenado pelo STF no processo do mensalão, deu um novo depoimento à PGR em setembro e se propôs a dar detalhes do caso em troca da inclusão no programa de proteção a testemunhas.

Entre as novas revelações, estaria o fato de que Valério enviou dinheiro a Santo André para subornar pessoas que ameaçavam envolver Lula e o atual ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, em suposto esquema de desvio de verbas públicas que teria resultado na morte de Celso Daniel.

Dirceu desqualifica o fato de a oposição basear seu pedido em reportagens do Estado e da revista Veja. Segundo Dirceu, a oposição se vale da teoria do domínio de fato - principal ferramenta usada pelo STF para condenar Dirceu por corrupção - para envolver Lula no caso.

O ex-presidente do PT José Genoino e o ex-tesoureiro do partido Delúbio Soares, também condenados pelo STF, já se manifestaram sobre o assunto. Genoino disse que misturar negociações e alianças com o mensalão "significa criminalizar a política". Delúbio afirmou que "a judicialização da vida política e a politização da Justiça foram marcas indeléveis do processo político-eleitoral" deste ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.