Para Jefferson, ação de Marcos Valério é 'coisa de canalha'

Delator do mensalão afirma em blog que não acha 'crível' a denúncia do operador e duvida que ele possa provar o que diz

ALFREDO JUNQUEIRA / RIO , O Estado de S.Paulo

12 de dezembro de 2012 | 02h08

Delator do esquema do mensalão em 2005, o deputado federal cassado e presidente licenciado do PTB, Roberto Jefferson, disse ontem que não achava "crível" o conjunto de denúncias feitas pelo empresário Marcos Valério Fernandes de Souza, em depoimento à Procuradoria-Geral da República em setembro.

Conforme revelou ontem o Estado, o operador do mensalão afirmou ao Ministério Público Federal que recursos desviados pelo esquema foram usados para pagar despesas pessoais do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Em dois pequenos textos publicados em seu blog pessoal, Jefferson questiona se Valério tem como provar o que disse. Na avaliação do ex-deputado, a tentativa do empresário de buscar um acordo de delação premiada "é coisa de canalha".

Em entrevistas e depoimentos sobre o mensalão, Jefferson sempre ressaltou que Lula só soube da existência do esquema do mensalão quando ele próprio o alertou. "A história contada por Marcos Valério às procuradoras não me pareceu crível. Ele pode provar o que disse? Além do mais, delação premiada para salvar o próprio coro é coisa de canalha", escreveu.

O ex-deputado questiona ainda a credibilidade do empresário, que foi condenado a 40 anos de prisão pelo Supremo Tribunal Federal. "Magoado, ele envolve Lula diretamente no esquema de seus empréstimos, inclui o caso do prefeito Celso Daniel na história e tempera tudo com uma ameaça de morte que teria recebido do PT. A credibilidade do carequinha, no entanto, já transitou em julgado, é zero", escreveu Jefferson, em seu blog.

Condenado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro pelo STF, o delator do mensalão cumprirá pena de 7 anos e 14 dias em regime semiaberto. Jefferson enfrenta tratamento de quimioterapia para tentar se curar de câncer no pâncreas. Seu caso é considerado grave.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.