Para Ideli, doação foi legal; 'Não tenho nada a ver com isso'

Ministra diz que, quando era titular da Pesca, tomou providências para lanchas serem usadas; ela nega ser responsável por contrato

RAFAEL MORAES MOURA, BRASÍLIA , O Estado de S.Paulo

04 de abril de 2012 | 03h05

A ministra Ideli Salvatti (Relações Institucionais) negou ontem qualquer envolvimento com o pedido de doação feito por um funcionário do Ministério da Pesca a um empresário para o comitê eleitoral do PT de Santa Catarina em 2010, quando ela disputava o governo do Estado. "Foi uma doação legal, não tive envolvimento nem pedi", disse Ideli, após participar de cerimônia no Palácio do Planalto de anúncio de medidas para estimular a indústria nacional.

A empresa Intech Boating - que ganhou contrato do Ministério da Pesca para o fornecimento de 28 lanchas-patrulha, ainda que a pasta não tenha competência para fiscalizar a pesca irregular - doou R$ 150 mil para o PT catarinense. "A contribuição (doação) foi legal, feita ao comitê estadual do PT. Eu estou muito tranquila. Na hora em que eu for acionada, vou prestar os esclarecimentos", disse.

"Minha conta de campanha foi aprovada por unanimidade. O comitê estadual repassou recursos para todos os candidatos do PT de Santa Catarina", justificou a ministra. Na verdade, as contas de campanha foram aprovadas com ressalvas, já que o relatório do Controle Interno do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) apontou doações não registradas pelo PT e uso de recursos que não eram de campanha para quitar gastos eleitorais, conforme mostrou o Estado ontem.

Questionada se a compra das lanchas não teria sido um equívoco, Ideli respondeu: "Meu amor, eu não posso dizer se foi um equívoco ou não. Quando cheguei ao ministério, tomei todas as providências no sentido de agilizar que as lanchas fossem utilizadas, entregues, fossem repassadas. Não posso me responsabilizar".

Alvo de uma série de suspeitas levantadas pelo Tribunal de Contas da União (TCU), o contrato do Ministério da Pesca com a Intech Boating teve parte do pagamento feita sob a gestão de Ideli. "No relatório do TCU não há uma única citação à minha pessoa. Não tenho nada a ver com aquilo", reagiu a ministra.

O líder do PSDB no Senado, Álvaro Dias (PR), entrou anteontem com representação contra Ideli na Comissão de Ética Pública da Presidência da República.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.