Para Ibope, haverá segundo turno na eleição em São Paulo

Nem mesmo se todos os indecisos optassem por Marta a soma de votos na candidata superaria a dos adversários

Carlos Marchi, O Estado de S. Paulo

14 de setembro de 2008 | 11h19

A três semanas da eleição, a realização de um segundo turno na eleição do novo prefeito de São Paulo está praticamente consolidada, afirmou Márcia Cavallari, diretora do Ibope, com base na pesquisa encomendada pelo Estado e pela TV Globo e publicada no sábado, 13.       Veja Também: Campanha bem feita de Kassab faz a diferença, comenta Claudio Couto  Indefinição de Alckmin o prejudica, diz Vera Chaia  Confira os últimos números da pesquisa Ibope/Estado Paes sobe 8 pontos e passa Marcelo Crivella no Rio, diz Ibope Candidato do PSB em BH, Lacerda consolida liderança Costa, do PT, mantém liderança no Recife, aponta Ibope Especial: Perfil dos candidatos  Blog: propostas dos candidatos de São Paulo na sabatina do 'Grupo Estado' Vereador digital: Conheça os candidatos à Câmara de SP  Tire suas dúvidas sobre as eleições de outubroO levantamento mostra que a soma dos demais candidatos (54%) supera largamente a pontuação da ex-prefeita Marta Suplicy (35%), que lidera a corrida eleitoral. Como os indecisos somam 11%, mesmo que todo o contingente opte pela petista, ela não conseguirá superar os adversários somados. Nesse segundo turno virtualmente confirmado, Marta tem lugar praticamente assegurado contra um dos dois candidatos que agora aparecem em segundo, o prefeito Gilberto Kassab (DEM) e o ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB), indica Márcia. Na pesquisa divulgada ontem, Marta aparece em queda nas duas simulações de segundo turno que poderá encarar. Contra Alckmin, os dois apareceram com 45%, duas semanas depois de Marta ter cravado 50% a 39%. Já Kassab reduziu sua desvantagem em 17 pontos porcentuais num período de duas semanas e apareceu no limite do empate técnico com a petista (48% a 42%). Com o resultado, Kassab desmontou uma impressão que despertava dúvidas sobre sua competitividade contra Marta. Os eleitores anti-petistas que antes votavam no candidato do PSDB porque "só ele podia vencer Marta" agora vão descobrir que o prefeito também pode, analisa Márcia. Avaliação Segundo o Estado apurou, o empate na segunda colocação foi comemorado tanto no comitê de Kassab - pelo fato de o candidato ter subido - quanto no de Alckmin - por não ter caído. Aliados do prefeito dizem ainda que a campanha está "redonda", já que Kassab foi o único candidato a subir desde o início da propaganda eleitoral. Outros motivos de comemoração foram o fato de o candidato se mostrar competitivo no segundo turno e a tendência de queda de Marta - de 41% para 39% e agora, para 35%. A gestão de Kassab conseguiu agora uma avaliação positiva de 47%, muito próxima da que Marta só atingiu às vésperas da eleição de 2004 (49% de ótimo e bom). A presunção do comando do DEM é que a aprovação à administração do prefeito poderá subir um pouco mais nas três semanas que faltam para a eleição. Mais importante que isso, no entanto, é que Kassab, até esta pesquisa, está conseguindo transformar em intenção de voto apenas 44% da sua aprovação na prefeitura (avaliação positiva de 47% e intenção de votos de 21%). É muito pouco, na avaliação de representantes do DEM. Antecedentes Em 2004, Marta fechou o primeiro turno com 36% dos votos, para uma avaliação positiva de 49% - o que quer dizer que ela conseguiu realizar em votos 73% da aprovação de sua gestão. Se Kassab conseguisse realizar o mesmo porcentual hoje, frisam seus companheiros de partido, teria 34% da intenção de votos e estaria empatado com sua adversária. Os aliados do prefeito imaginam que, mesmo descontando o fato de ele não ser tão conhecido quanto os principais concorrentes e a falta de experiência em eleições majoritárias, Kassab conseguirá duas proezas até o primeiro turno da eleição: a primeira, superar os 50% de avaliação positiva; a segunda, transformar em intenção de votos pelo menos 60% de sua aprovação. Se o prognóstico se confirmar, Kassab fechará o primeiro turno com algo em torno dos 30%. var keywords = "";

Tudo o que sabemos sobre:
eleições 2008

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.