Para Haddad, Serra tenta 'assustar' os eleitores

No segundo dia de campanha, o candidato do PT à Prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad, criticou o discurso do adversário José Serra (PSDB) e disse que o tucano quer "assustar" os eleitores. Serra havia sugerido que uma vitória do PT daria ao partido a hegemonia no cenário político nacional e que isso poderia resultar em uma ameaça à democracia.

O Estado de S.Paulo

08 de julho de 2012 | 03h06

"Isso é uma fantasia para assustar a população, mas a população está vacinada e sabe que esse tipo de argumento não tem cabimento", afirmou Haddad em evento na zona leste. O petista também defendeu a aliança de seu partido com o PP do deputado federal Paulo Maluf e criticou a administração do prefeito Gilberto Kassab (PSD).

"Nunca fulanizamos o debate, nem em relação à oposição. Eu não fico apontando para a oposição, nomeando pessoas nem secretários do Kassab, prefiro falar de projeto político", disse. "Um (Serra) abandonou a cidade e o outro (Kassab) trabalha apenas meio período."

O candidato Gabriel Chalita (PMDB) começou o dia de ontem em uma missa na Paróquia Nossa Senhora dos Migrantes, no Grajaú, zona sul. Sentou-se na primeira fila, comungou, cantarolou canções religiosas e subiu ao altar a convite do padre. Não pediu voto, mas fez um discurso destacando que "não há nada mais importante para a cidade do que cuidar de suas crianças". / GUSTAVO PORTO e BRUNO BOGHOSSIAN

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.