Para FHC e DEM, Alckmin apoiaria Kassab no 2º turno

Na avaliação feita hoje entre a cúpula do DEM e o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), foi afastada a hipótese de o candidato tucano Geraldo Alckmin deixar de apoiar Gilberto Kassab, se o prefeito de São Paulo for disputar o segundo turno com a petista Marta Suplicy, da coligação "Uma Nova Atitude para São Paulo" (PT-PCdoB-PDT-PTN-PRB-PSB). A conclusão é de que Alckmin ficará isolado caso assuma uma posição radical, mesmo porque o governador José Serra, a grande liderança do PSDB paulista, estará à frente da decisão pró-Kassab do partido."Se for derrotado, Alckmin deixa de ser personagem", afirmou um político do DEM. Na reunião, o senador Heráclito Fortes (DEM-PI) afirmou que, caso vá para a disputa do segundo turno, Kassab será o grande vitorioso da eleição. O prefeito de São Paulo e candidato pela coligação "São Paulo no Rumo Certo" (DEM-PR-PMDB-PRP-PV-PSC) iniciou a campanha em baixa e foi crescendo, enquanto Alckmin, até agora, entrou em curva decrescente. "Kassab entraria na campanha com ânimo renovado", disse Heráclito.FHC, segundo participantes do encontro, mostrou-se preocupado com a divisão no PSDB e a disputa no segundo turno em São Paulo. Por isso, prometeu ajudar para costurar um acordo entre os dois partidos, independentemente do resultado da votação de domingo. A expectativa do DEM é de que Kassab chegará ao segundo turno com 28% e Alckmin, da coligação "São Paulo, na Melhor Direção" (PSDB-PTB-PHS-PSL-PSDC), com 18%. Além de FHC, outros políticos do PSDB e do DEM - ligados a Alckmin - se prontificaram a ajudar em nome do acordo do segundo turno.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.