Para entender: uma Casa conservadora

Bancada trabalhista na Câmara sofreu pior revés desde que Lula chegou ao Planalto, em 2002; número de empresários cresceu

O Estado de S. Paulo

25 de outubro de 2014 | 16h53

BRASÍLIA - As manifestações de junho de 2013 passaram a mensagem de que a população buscava renovação política e avanço dos direitos sociais. Mas as urnas mostraram um retrato diferente do que parecia ser a vontade popular.

A bancada trabalhista na Câmara sofreu o pior revés desde que Lula chegou ao Palácio do Planalto, em 2002. Hoje, eles somam 83 deputados das mais diversas origens sindicais. A partir de 2015, serão apenas 47. Na contramão, os empresários passaram de 220 para 280 parlamentares, segundo levantamento do Departamento intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap).

Na opinião de analistas, a composição da Câmara vai ficar mais conservadora. Aumentou o número de deputados militares, religiosos, ruralistas. Esse aumento do conservadorismo deve acirrar a tensão em pautas como casamento gay e descriminalização do aborto. A saída de parlamentares tidos como mediadores importantes também deve dificultar os trabalhos.

Pela primeira vez, está sendo mapeada a “bancada da bala”, formada por parlamentares ligados a setores policiais, militares e da indústria de armas. Até agora foram identificados 19 deputados que podem ser enquadrados nessa categoria.

Política x lobbies

Código de Mineração

Dilma: A favor

Aécio: A favor

Simplificação do ICMS

Dilma: A favor

Aécio: A favor

Unificação do PIS/Cofins

Dilma: A favor

Aécio: A favor

Redução no tempo de compensação de créditos fiscais

Dilma: Afirma que tem tomado decisões sobre o tema

Aécio: A favor de uma negociação sobre o tema

Regulamentação do trabalho terceirizado

Dilma: Sem definição clara

Aécio: Sem definição clara

Revisão dos contratos de partilha do pré-sal

Dilma: Contrária

Aécio: A favor

Reformulação da infraestrutura e dos eixos logísticos

Dilma: Considera que está fazendo as obras necessárias

Aécio: Considera que é preciso começar do zero

Recuperação do etanol e investir em bioeconomia

Dilma: Considera que medidas já foram tomadas

Aécio: É a favor de novos investimentos e incentivos para o setor

Regras claras para licenças ambientais

Dilma: Acha que o modelo atual precisa melhorar

Aécio: A favor

Desburocratização

Dilma: A favor

Aécio: A favor

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.