Para CPI, outra empresa pagou por casa de Perillo

Documentos obtidos pela CPI do Cachoeira indicam que uma segunda empresa do esquema do contraventor pagou a casa vendida pelo governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB). Além da Alberto e Pantoja, a Adécio e Rafael Construções - que também servia como fachada para lavar dinheiro da organização, segundo a Polícia Federal - repassou R$ 750 mil à Excitante Indústria e Confecções, que emitiu os cheques para quitar o imóvel do tucano.

FÁBIO FABRINI / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

11 de julho de 2012 | 03h06

As duas empresas fantasmas eram abastecidas com dinheiro da Delta Construções, beneficiária de contratos no governo de Goiás. Os valores transferidos por ambas somam exatamente o que foi pago pela casa. Perillo recebeu três cheques. O primeiro, de R$ 500 mil, foi depositado em 2 de março de 2011. No mesmo dia e na véspera, a Excitante recebeu duas transferências em sua conta, de R$ 250 mil cada, da Adécio e Rafael. O segundo cheque, também de R$ 500 mil, foi depositado por Perillo em 4 de abril. Naquela data, a Alberto e Pantoja remetera R$ 250 mil à empresa usada para os pagamentos. Os novos dados mostram que, quatro dias antes, a Adécio e Rafael já havia enviado os R$ 250 mil restantes para completar a parcela. O último cheque, de R$ 400 mil, foi compensado em 2 de maio de 2011. Naquele mesmo dia, segundo documentos da comissão, a Alberto e Pantoja recebeu R$ 400 mil da Delta, valor que foi parar na conta da Excitante.

Segundo a PF, Carlinhos Cachoeira é o verdadeiro comprador da casa, na qual foi preso. Perillo diz ter vendido o imóvel a um empresário de Goiânia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.