Para atrair eleitor tucano, transporte e churrasco

Na zona leste, apoiadores dos três pré-candidatos admitiram existência de esquemas para levar filiados às urnas ontem

DANIEL BRAMATTI, O Estado de S.Paulo

26 de março de 2012 | 03h04

"Se pelo menos estivesse chovendo, só sairiam para votar os que têm vontade, sangue nos olhos, e não os que estão nisso pela verba." A frase, em tom de lamento, foi dita por José Roberto Birolli, presidente do diretório zonal do PSDB de Itaim Paulista, no extremo leste de São Paulo, ao reconhecer a existência de esquemas organizados de transporte de eleitores para votar na prévia do partido.

A poucos metros de Birolli, simpatizante do pré-candidato Ricardo Tripoli, um Escort estacionava em frente ao local de votação, trazendo filiados orientados a votar em José Serra. A militante que se identificou como Gislaine disse ter recebido a lista de quem que deveria transportar.

Além de Itaim Paulista, o Estado constatou a ocorrência da mesma prática, envolvendo aliados de todos os pré-candidatos, em duas outras zonas eleitorais: Jardim Helena e Vila Jacuí. Nesta última, além de transporte, alguns eleitores foram contemplados com um churrasco.

Questionada sobre o pagamento dos custos da operação, a militante Gislaine respondeu: "Isso é com o meu chefe, mas ele não chegou ainda". Perto dali, a dirigente de uma associação comunitária, que não quis se identificar, esperava pela chegada de 35 potenciais eleitores de Serra. "Trabalhei com uma lista de pessoas que foram associadas por mim", explicou. "Mas o meu pessoal não quis condução, eles preferiram vir por conta própria."

No Jardim Helena, Edilberto Leite, conhecido como Robertão, coordenava as idas e vindas de seis carros para transportar 58 pessoas - todas "trabalhadas" para apoiar Serra. "São pessoas que eu filiei. Com essas eu conversei uma por uma."

Robertão negou ter recebido ajuda para cobrir ao menos os custos com combustíveis. "Não gosto de ficar devendo nada a ninguém. É carro meu, da minha filha, do meu vizinho. Ninguém está nos pagando nada."

A poucos metros dali, em uma Kombi com material de propaganda de José Aníbal, uma pessoa que se identificou apenas como "coordenador de carros" segurava uma lista com nomes e endereços de filiados. "Ainda tem muita gente para buscar", declarou.

Chamariz. Na Vila Jacuí, o militante tucano Ademir Cleto de Oliveira, simpatizante de Aníbal e fiscal da votação, lamentava o que via na calçada da frente. "As pessoas estão vindo para comer churrasco. Votar é secundário."

O presidente do diretório zonal, conhecido como Wellington Negão, negou relação com o churrasco, apesar de o evento ocorrer no mesmo imóvel onde fica sua residência. "Aí é a sede do time da região", afirmou.

Outros militantes tucanos, uniformizados com camisetas em apoio a Tripoli, também apontaram o churrasco como chamariz para eleitores e confirmaram a existência de esquemas de transporte de filiados. "Nós também estamos buscando os nossos", disse uma delas, que não quis se identificar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.