Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Para ajudar a dividir custos da campanha, Meirelles vai fazer vaquinha virtual nas eleições 2018

Ex-ministro da Fazenda também confirmou que vai tirar de seu bolso o dinheiro necessário para a disputa

Marcelo Osakabe, O Estado de S.Paulo

18 de julho de 2018 | 17h36

O pré-candidato do MDB à Presidência nas eleições 2018, Henrique Meirelles, afirmou nesta quarta-feira, 18, que vai utilizar o sistema de financiamento coletivo de campanha — também conhecido como vaquinha virtual — para ajudar a pagar os custos de sua eventual campanha ao Palácio do Planalto.

Em entrevista ao portal Metrópoles, o ex-ministro da Fazenda do governo de Michel Temer confirmou que vai tirar de seu bolso o dinheiro usado na campanha. "Tive de fato oportunidade de fazer patrimônio e estou disposto a usar parte disso. Vamos fazer também o sistema da vaquinha digital", disse. "Vai que alguém quer colaborar e fica frustrado", brincou, ao ver que o comentário levou aos risos os entrevistadores. 

A possibilidade de pagar pela própria campanha foi um principais argumentos usados pelos defensores do ex-ministro para convencer o MDB a aceitar a sua pré-candidatura, o que acabou acontecendo. De fato, ao fazer a repartição do fundo eleitoral no início do mês, a executiva do partido dividiu os R$ 234 milhões a que tem direito do fundo apenas entre deputados e senadores — as campanhas à Presidência e dos governos estaduais ficaram de fora.

À época, ao comentar a decisão, Romero Jucá negou que a decisão reflete falta de apoio ao ex-ministro da Fazenda. "Pelo contrário, é um sinal de que a gente acredita na candidatura do Meirelles, porque ele tem condições de bancar sua própria candidatura. Nós vamos discutir com ele a forma de disputar a eleição com recursos próprios que ele dispõe. Felizmente ele tem essa condição, o que desafoga o aperto do partido", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.