Para Aécio, Brasil está espantado é com os monstros do presente

De acordo com candidato do PSDB, eleitor está assustado com inflação alta, recessão e corrupção

Elizabeth Lopes e Débora Bergamasco, O Estado de S. Paulo

06 de outubro de 2014 | 18h22

Em sua primeira entrevista coletiva, concedida nesta tarde em São Paulo, maior colégio eleitoral do País, local onde obteve a maior votação neste primeiro turno, o candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves, já deu o tom sobre como será a sua campanha neste segundo turno, contra a presidente e candidata à reeleição pelo PT, Dilma Rousseff. Depois de convidar Dilma a fazer uma campanha propositiva e de alto nível, ele criticou a adversária, destacando que é o único capaz de promover as mudanças desejadas pela maioria da população.

"Me surpreende abrir hoje os jornais e ver a candidata oficial falar de fantasmas do passado. Na verdade, os brasileiros estão muito preocupados são com os monstros do presente: inflação alta, recessão, corrupção. Portanto, para enfrentar isso é que nós nos preparamos e reunimos alguns dos mais qualificados brasileiros e estamos prontos para vencer a eleição e fazer a grande travessia", destacou o presidenciável tucano, ao lado do governador reeleito de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), do senador eleito por São Paulo, José Serra (PSDB) e do vice em sua chapa, senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP).

Na entrevista, acompanhada por jornalistas do País e por correspondentes estrangeiros, Aécio falou que recebeu hoje pela manhã um telefonema "de forma muito honrosa" da candidata do PSB, Marina Silva, cumprimentando-o pelo resultado da eleição. "Retribuí também cumprimentando-a pela sua luta, e nós temos agora que dar tempo ao tempo. Cada liderança saberá o tempo de tomar uma decisão e qual será essa decisão. Não cabe a mim avançar nesse tempo", emendou, numa referência ao aguardado apoio da ex-ministra neste segundo turno da corrida ao Palácio do Planalto. 

Apesar da ponderação, ele disse que todos aqueles que têm o sentimento de que o Brasil precisa mudar para avançar, serão muito bem-vindos nessa caminhada. "Repito apenas que a minha candidatura é a encarnação da mudança pela qual clamam mais de 70% dos brasileiros. Vamos aguardar que cada força política, cada força da sociedade que não esteve conosco na primeira fase da campanha, possa, tomando sua decisão e se achar por bem, nos acompanhar."

Aécio garantiu que a campanha deste segundo turno para ele já começou. "Já conversei com parlamentares eleitos", frisou. E disse que sua candidatura não é só de um partido, mas representa a possibilidade concreta de o Brasil retomar o caminho do desenvolvimento. "Os votos da oposição mostram isso e eu estou honrado em estar no segundo turno."

Aécio disse ainda que vai respeitar sua adversária neste segundo turno porque isso também implica em respeito à democracia. E falou do desejo de ampliar a votação que teve neste primeiro turno, quando obteve 34,8 milhões de votos em todo o País. Inclusive em Minas Gerais, onde seu candidato, Pimenta da Veiga, perdeu a eleição para o petista Fernando Pimentel. Aécio disse que vai ser o mais votado em seu Estado neste segundo turno.

Tudo o que sabemos sobre:
eleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.