Panfleto do PT diz que vitória de Serra vai elevar criminalidade

Jornal de sindicalistas cita aumento de chacinas e arrastões; dirigente da CUT afirma que texto se baseia em 'fato concreto'

BRUNO BOGHOSSIAN, O Estado de S.Paulo

27 de outubro de 2012 | 03h04

Um jornal do comitê de sindicalistas da campanha de Fernando Haddad (PT) afirma que "o crime organizado se alastrará em São Paulo" se o tucano José Serra (PSDB) for eleito prefeito no domingo. Cem mil exemplares do material foram distribuídos nos últimos dois dias em terminais de ônibus e ruas da cidade, com críticas e denúncias de corrupção em gestões tucanas.

"Os arrastões, assaltos em shoppings e nas ruas, os furtos de carros, chacinas de jovens e a explosão dos caixas eletrônicos vão aumentar. Também teremos mais mendigos nas ruas. O crime organizado se alastrará em São Paulo", afirma um texto na contracapa do panfleto.

O material também diz que, se Serra for eleito, "as consultas e exames vão continuar demorando até seis meses ou mais". Afirma ainda que "os ônibus, os trens e o metrô continuarão cheios e caóticos todos os dias".

O panfleto de quatro páginas é identificado como Jornal do Comitê de Sindicalistas e tem o CNPJ da campanha de Haddad em seu expediente.

A campanha petista informou, por meio de sua assessoria, que o Comitê dos Sindicalistas é autônomo e editou o jornal de forma independente e pagou a impressão com recursos próprios.

'Doação'. O coordenador do Comitê dos Sindicalistas e presidente da Central Única dos Trabalhadores em São Paulo (CUT-SP), Adi dos Santos Lima, disse que o material foi financiado com doações de pessoas físicas, posteriormente contabilizadas como doações à campanha de Haddad.

O parágrafo sobre violência, segundo Lima, foi redigido a partir de um balanço sobre a política de segurança pública do governo estadual, comandado por Geraldo Alckmin (PSDB).

Ele citou como justificativa a divulgação, anteontem, do crescimento do índice de homicídios no Estado. Para Lima, a nota não tem tom "terrorista" e representa um "fato concreto". "Achamos que, se não houver mudança, podem continuar acontecendo assassinatos de policiais, etc.", afirmou o coordenador do Comitê de Sindicalistas. / COLABOROU BRUNO LUPION

Tudo o que sabemos sobre:
eleições 2012HaddadSerra

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.