Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Paes lança-se ao governo do Rio sem citar corrupção, Lava Jato e Cabral

Anúncio foi feito ao lado do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), e de seu pai, o vereador do Rio, Cesar Maia (DEM), em um prédio comercial na Barra da Tijuca, zona oeste da capital

Constança Rezende, O Estado de S.Paulo

29 de julho de 2018 | 12h24

RIO – Sem mencionar a Lava Jato ou a corrupção no estado, o ex-prefeito do Rio, Eduardo Paes (DEM), lançou-se candidato ao governo do Rio, na manhã deste domingo, 29. O anúncio foi feito ao lado do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), e de seu pai, o vereador do Rio, Cesar Maia (DEM), em um prédio comercial na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio.

Paes foi o último a falar e, em seu discurso, enfatizou as crises na economia e na segurança que atingem o estado, mas não falou da corrupção e da Operação da Lava Jato Fluminense, que prendeu três governadores do estado, Anthony Garotinho (PRP), Rosinha Garotinho e o seu ex-aliado e ex-colega de partido, Sérgio Cabral (MDB).

O ex-prefeito do Rio preferiu ocupar a maior parte de seu discurso fazendo elogios à família Maia, da qual estava rompido e se reaproximou depois que se filiou ao DEM para se candidatar ao governo.  Ele destacou o acordo de recuperação fiscal do estado obtido em Brasília, do qual Maia teve influência.

"Rodrigo teve um papel fundamental nos últimos tempos, no Brasil, e no Rio. Se não tivéssemos ele, estaríamos em uma situação pior do que a que vivemos hoje. Não estaríamos conseguindo pagar o salário dos servidores. Rodrigo é o senhor estabilidade", exaltou.

Já o presidente da Câmara disse que aliança com Paes tem o objetivo de "refundar o estado do Rio". "O estado não parou graças ao trabalho articulado pela nossa bancada no projeto de recuperação fiscal.  Não acho que a situação do estado é tranquila. Temos um déficit previdenciário muito grande. Precisamos de um gestor de qualidade e de pessoas que já mostraram, por onde passaram, que têm experiência e capacidade", disse, referindo-se ao ex-prefeito do Rio.

'Respondo pelos meus atos, meu CPF é outro', diz Paes sobre MDB do Rio

O ex-prefeito do Rio, Eduardo Paes (DEM), procurou desvincular-se de seu ex-partido, o MDB, durante o lançamento de sua candidatura ao governo do Rio. Ao ser questionado por jornalistas o motivo pelo qual não ter mencionado o tema da corrupção, nem os políticos do MDB presos pela Lava Jato, em seu discurso, Paes disse que responde pelos seus atos.

O ex-prefeito disse que trata do que é o seu procedimento dentro da vida pública e que sempre buscou agir com correção em suas ações. “Eu respondo pelos meus atos, meu CPF é outro. Eu sempre fiz alianças, sempre me dei com partidos. Mas meu compromisso é com a população. Eu respondo pelos meus atos como indivíduo, como homem público, e na Prefeitura do Rio”, disse.

Paes admitiu que a prisão de seu ex-aliado, o ex-governador Sérgio Cabral (MDB), contribuiu para a crise do estado, mas não citou o desvio de recursos públicos, apontado pelo Ministério Público Federal (MPF). “É obvio que, quando você tem uma perda de liderança, de comando, e isso vinha acontecendo há muito tempo, estimula a crise que a gente vive”, afirmou.

Paes também justificou, na entrevista para imprensa, que a corrupção é um tema que deve ser premissa de qualquer governo, mas culpou os órgãos de controle público. “A gente precisa rediscutir o tema do sistema de controle brasileiro que tem se mostrado extremamente ineficaz. Os controles formais de governo não tem dado conta desse desafio”, disse.

Maia afirma que Paes e Sérgio Cabral têm 'formas distintas'

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), disse que Eduardo Paes (DEM) e o ex-governador do Rio, Sérgio Cabral (MDB), têm "formas distintas" de governar.

"Sergio Cabral é uma pessoa, Eduardo Paes é outra. Eles foram aliados políticos, mas um governou o estado e o outro a Prefeitura e, pelo que a gente tá vendo, as formas são distintas. Isso que a gente precisa deixar com muita clareza", disse.

Maia acrescentou que, apesar da aliança com o MDB na chapa estadual, o candidato a vice não virá desse partido. "Aqueles que vão aderir à nossa candidatura sabem que o estado do Rio precisa ser refundado e, se quiserem participar, será nessas nessas condições", afirmou.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.