Paes diz que 'adoraria' ter o apoio de Lula em eventual 2º turno

Sobre o primeiro turno, candidato do PMDB diz ter certeza que presidente manterá´posição 'eqüidistante'

Adriana Chiarini, de O Estado de S.Paulo

25 de agosto de 2008 | 13h00

O candidato a prefeito do Rio Eduardo Paes, do PMDB, que foi um dos mais atuantes parlamentares da oposição ao governo federal, na CPI dos Correios, quando era deputado federal do PSDB, disse nesta segunda-feira, 25, em sabatina ao Grupo Estado que "adoraria", ter o apoio do presidente Luiz Inácio Lula da Silva em um segundo turno. "Tenho certeza de que o presidente Lula vai manter posição eqüidistante", disse Paes sobre o primeiro turno.  Veja Também:Assista à sabatina de Eduardo Paes Paes diz que saúde é prioridade e quer ser 'prefeito-síndico'Paes não quer que Rio perca royalties do petróleoPaes nega defesa de milícias no Rio e critica omissão de MaiaCandidato do PMDB no Rio enfatiza questão da segurançaEduardo Paes defende subsídios para área da culturaEspecial: Veja perfil de Eduardo Paes  As regras para as eleições municipais Tire suas dúvidas sobre as eleições de outubro  Ele minimizou o fato de sua trajetória política ter sido marcada pela mudança de partido. Paes começou a se projetar como subprefeito da Barra e de Jacarepaguá na primeira gestão de Cesar Maia na Prefeitura do Rio. Diz hoje ter relação de respeito com Maia, "a minha crítica é política. A Prefeitura não vai bem", disse. "Fui um bom subprefeito em uma administração que revolucionou a cidade e fui um deputado que combateu a corrupção", disse. Paes tem ressaltado várias vezes, durante a sabatina, sua intenção de atuar como prefeito em colaboração com os governos estadual e federal e afirmou que fez a primeira parceria do governo Sérgio Cabral no Rio com o governo Lula quando era secretário estadual de Turismo, Lazer e Esportes. De acordo com ele, a parceria foi fundamental para a realização dos Jogos Pan-Americanos. "O Pan estava fadado ao fracasso." E continuou: "Governador não é parlamentar e prefeito também não deve ser. A gente não deve ter vergonha de pedir ajuda. A prefeitura precisa ter ajuda do governo estadual e do governo federal ", disse. Segundo Paes, o governo Lula tem sido bom. "Acho que o País melhorou", disse. Ele considera que o Brasil amadureceu politicamente e argumenta que há continuidade de políticas públicas. Ele destacou, ainda, que o governo Lula deu continuidade à política de combate à inflação, promovida pelo governo Fernando Henrique Cardoso, e também consolidou e renovou políticas sociais iniciadas na gestão FHC, com o Bolsa Família. Nesta terça-feira, o candidato do PV à Prefeitura do Rio de Janeiro, Fernando Gabeira, será sabatinado pelo Grupo Estado. Os demais candidatos do Rio também participam nesta semana: Solange Amaral (DEM), Chico Alencar (PSOL) e Jandira Feghali (PC do B). Em São Paulo, do dia 1º ao dia 5, participam Marta Suplicy (PT), Geraldo Alckmin (PSDB), Gilberto Kassab (DEM), Paulo Maluf (PP) e Soninha Francine (PPS). Ivan Valente (PSOL) será sabatinado no dia 8. Os candidatos serão sabatinados no auditório do Grupo Estado. Tanto no Rio quanto em São Paulo, o público pode participar dos eventos e também pode enviar perguntas via e-mail.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.