Sergio Moraes/Reuters
Sergio Moraes/Reuters

Paes derrota Crivella e volta à prefeitura do Rio após quatro anos

Ex-prefeito, hoje no DEM, confirmou favoritismo apontado durante toda a campanha; atual mandatário tinha o apoio do presidente Jair Bolsonaro

Caio Sartori, O Estado de S.Paulo

29 de novembro de 2020 | 18h49
Atualizado 30 de novembro de 2020 | 08h24

RIO - O ex-prefeito Eduardo Paes (DEM) voltará à prefeitura do Rio. Com 64% dos votos válidos, ele derrotou o prefeito Marcelo Crivella (Republicanos), que tentava a reeleição com o apoio do presidente Jair Bolsonaro e ficou com apenas 36%. Paes ganhou em todas as zonas eleitorais da cidade e teve o melhor resultado de um candidato em segundo turno desde a redemocratização. No entanto, a abstenção de 35% superou até o número de votos do vencedor: 1,7 milhão de cariocas deixaram de ir às urnas, enquanto ele recebeu 1,6 milhão.

Desde o início da campanha, Paes conseguiu manter o favoritismo tanto no primeiro quanto no segundo turno, e em nenhum momento se viu ameaçado. Durante o primeiro, o ex-mandatário focou em falar de propostas e dizer que “o Rio vai voltar a dar certo”, sempre comparando seus mandatos com o de Crivella, que é altamente rejeitado pela população.

“Nós passamos os últimos anos radicalizando a política brasileira e contestando aqueles que exercem a atividade política, e os resultados desse quadro de extremos, de divisão, não fez bem aos cariocas nem aos brasileiros. Essa eleição manifestou uma força muito grande daqueles que exercem a atividade política, a gestão pública”, disse Paes no discurso de vitória. "O governo reacionário que tomou conta da cidade nos últimos quatro anos foi ruim na gestão, piorou a vida das pessoas e olhou a cidade com muito preconceito.”

Sem uma marca clara, o atual prefeito apelou para a aproximação com o bolsonarismo e, no segundo turno, partiu para o ataque contra Paes, propagando inclusive fake news requentadas de 2018, como o suposto “kit gay”, “ideologia de gênero” e alegando até que haveria “pedofilia nas escolas” caso o adversário vencesse. Ele foi denunciado pela Procuradoria Regional Eleitoral por difamação e propaganda falsa. 

Alvo dos ataques, Paes reagiu, martelando que Crivella era o “pai da mentira”, numa referência à figura do diabo na Bíblia. O prefeito é bispo licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus e sobrinho do líder da agremiação, o bispo Edir Macedo. O eleito também alegou que Crivella não tinha lealdade, chamando-o de traidor por ter sido aliado do PT durante os governos Lula e Dilma Rousseff e agora se apresentar como bolsonarista. 

A derrota do prefeito vai sendo a maior de um candidato em segundo turno no Rio desde a redemocratização. Antes, o recorde havia sido em 1996, quando Luiz Paulo Conde (PFL, hoje DEM) venceu Sérgio Cabral (PSDB), que viria a ser governador pelo MDB, com 62% contra 38%. 

Eleito agora pelo DEM, Paes ocupou a prefeitura pelo MDB entre 2009 e 2016. Com o esfacelamento completo do partido no Estado - motivado pelos escândalos de corrupção -, migrou para a atual legenda, pela qual começou sua carreira política no final dos anos 1990, quando ainda se chamava PFL. 

No Rio, o partido da família Maia vem ocupando o vácuo deixado pelo ex-governador Sérgio Cabral e seus aliados, todos presos ou condenados. Quem comanda a sigla em terras fluminenses é o ex-prefeito Cesar Maia, hoje vereador, que é pai do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, e foi padrinho político de Paes. Na eleição para vereador na capital, o DEM fez sete vereadores. Trata-se da maior bancada, empatada com PSOL e o Republicanos de Crivella. 

Apesar de ser a maior vitória do DEM nas capitais, considerando que o Rio é a segunda cidade mais populosa do País, Paes não tem um vínculo partidário tão forte e se recusa a se apresentar como cabo eleitoral de qualquer projeto da legenda para o País em 2022. Diz sempre que só é “palanque” para o Rio de Janeiro, e que a cidade está abandonada demais para ele pensar em cenários nacionais. Um dos partidos que o apoiou na eleição deste ano foi o PSDB, do governador paulista e possível presidenciável João Doria. 

A vitória de Paes marca a volta por cima dele após a surpreendente derrota na eleição de 2018 para o agora afastado Wilson Witzel (PSC), que surfou a onda bolsonarista. Apesar de ter perdido para ele, o ex-prefeito o venceu na capital fluminense, o que dava sinais de seu favoritismo para este ano. 

Prefeito na época do Rio dos grandes eventos, especialmente a Olimpíada, Paes receberá agora uma prefeitura com situação financeira mais desfavorável. A tendência é que seja feita uma gestão com menos obras e projetos de grande porte, ao contrário da marca de seus mandatos anteriores. Durante a campanha, o prefeito eleito focou em retomar serviços básicos que, segundo ele, foram sucateados durante o governo Crivella, “o pior prefeito que o Rio já teve”.

Histórico

Hoje com 51 anos, Paes tinha 39 quando assumiu o Executivo carioca. Antes, havia sido deputado federal e o vereador mais votado do Rio. Em 2006, desistiu de continuar na Câmara para tentar o governo do Estado pelo PSDB, mas obteve apenas 5% e apoiou, no segundo turno, o homem que seria figura-chave, para o bem e para o mal, na sua trajetória dali em diante: o emedebista Sérgio Cabral. 

No ano seguinte, Paes virou secretário de Esportes e Turismo do novo governo e se filiou ao MDB, pelo qual seria eleito prefeito e atuaria em parceria com Cabral durante a era dos grandes eventos. Reeleito com 62% no primeiro turno de 2012, o prefeito viu as coisas piorarem a partir de 2016, quando seu então partido viveu uma hecatombe no Rio após os escândalos envolvendo Cabral virem à tona. /COLABOROU FÁBIO GRELLET

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.