Padilha perde um minuto de tempo de TV para Alckmin

Justiça Eleitoral condenou o petista por publicar informações inverídicas no horário eleitoral

Valmar Hupsel Filho , O Estado de S. Paulo

12 de setembro de 2014 | 22h39

O candidato do PT ao governo de São Paulo, Alexandre Padilha, foi condenado a ceder 1 minuto de seu tempo de TV no horário eleitoral gratuito para o governador Geraldo Alckmin (PSDB), que tenta a reeleição. A Justiça Eleitoral entendeu que o petista divulgou informações inverídicas ao afirmar que o cartão Bilhete Ônibus Metropolitano (BOM), implantado pelo governo do Estado, não dá desconto no preço das tarifas e não faz integração entre os sistemas de transporte. O direito de resposta será usado pelos tucanos na segunda-feira à noite.

A juíza auxiliar Cláudia Lúcia Fonseca Fanucci também proibiu definitivamente a veiculação do programa, ratificando uma decisão liminar concedida na última quarta-feira. Exibido no início da semana, o programa de Padilha exibiu imagens do cartão Bom, enquanto o locutor narrava o texto: "O Governo do PSDB fez um bilhete chamado Cartão Bom, que de bom só tem o nome! Porque não dá desconto, nem faz integração".

Na representação protocolada na quarta passada, a campanha tucana afirma que o Cartão Metropolitano Bom "permite a integração entre os ônibus metropolitanos, os trens da CPTM e o Metrô, concedendo ao usuário um desconto de R$ 1,35 a cada viagem, o que pode significar mais de 25% de redução no valor total pago pelo usuário durante o trajeto."

Mesmo proibido de exibir o programa a partir de quarta-feira passada, Padilha continuou a fazer duras críticas ao Cartão Metropolitano Bom durante essa semana. Ao pedir votos na porta de uma fábrica, o petista chamou o programa de "promoção eleitoral" e comparou com sua proposta de governo para o transporte metropolitano.

"Ele fez uma promoção eleitoral no mês de setembro com o Cartão Bom. Não é o desconto do Bilhete Único Metropolitano que nós estamos propondo, não tem integração", disse. "Mais uma vez ele tentou copiar, mas a cópia ficou muito abaixo do original", afirmou.

Nesta sexta, Padilha classificou como oportunista o anúncio feito por Alckmin de dar desconto em viagens a usuários do Bilhete Ônibus Metropolitano (BOM). E disse que o tucano quer "fazer o povo de bobo" com a medida.

A assessoria do governador informou que o Cartão Bom, implantado em 2012, passou a oferecer desconto a partir de 30 de agosto. São descontados R$ 1,35 por viagem na integração entre as linhas metropolitanas do Metrô e da CPTM para os Cartões BOM Comum, Vale Transporte e Empresarial, segundo o governo. / COLABORARAM LILIAN VENTURINI E CARLA ARAÚJO 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.