Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Padilha perde tempo em direito de resposta e contesta Alckmin

Petista toca novamente no tema mobilidade urbana e utiliza populares, Marta e Haddad para tentar mostrar defeitos do cartão BOM

O Estado de S. Paulo

15 de setembro de 2014 | 21h45

Obrigado pela Justiça Eleitoral a ceder parte de seu horário eleitoral para o candidato a reeleição ao governo de São Paulo, Geraldo Alckmin, Alexandre Padilha, do PT, aproveitou para atacar o tucano no tempo que o restou. Logo após o direito de resposta que o PSDB ganhou devido a informações falsas sobre o BOM - Bilhete Ônibus Metropolitano, o petista tocou novamente no tema, classificando seu adversário como "Governador de promoção em véspera de eleição". Acompanhando passageiros que utilizam o serviço, Padilha tentou demonstrar as dificuldades para se conseguir o desconto propagado pelo atual governador e como planeja ampliar os benefícios.

"O atual governo teve 10 anos para melhorar o BOM e não melhorou", afirmou Padilha. Com ajuda de Marta e Haddad, o candidato prometeu novamente criar o Bilhete Único Metropolitano que traria um "verdadeiro desconto" em todos os meios de transporte.

O PT havia sido punido pela Justiça Eleitoral devido a informações inverídicas ao afirmar que o cartão Bilhete Ônibus Metropolitano (BOM), implantado pelo governo do Estado, não dá desconto no preço das tarifas e não faz integração entre os sistemas de transporte.  O programa que gerou o direito de resposta havia sido vinculado no início da semana e afirmava que "O Governo do PSDB fez um bilhete chamado Cartão Bom, que de bom só tem o nome! Porque não dá desconto, nem faz integração".

Já Alckmin e Skaf evitaram novos ataques no horário eleitoral desta segunda-feira a noite. O candidato do PMDB apresentou um programa onde respondia perguntas da plateia sobre as cidades de São Carlos, Campinas e Sorocaba e prometeu a construção de AMES (o primeiro em São Carlos, quatro em Sorocaba e mais oito em Campinas) além de falar de problemas como educação, racionamento de água e crack. O tucano, último dos três principais candidatos a apresentar, tocou no tema da saúde novamente, destacando conquistas de seu governo e afirmando que: "Me esforcei muito nos últimos quatro anos. Mesmo sabendo que há muito para fazer não posso negar que conseguimos avançar na saúde em São Paulo", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.