Divulgação
Divulgação

Padilha afirma que fará pacto de 'não agressão' com candidatos em SP

Ex-ministro da Saúde diz ainda que não está na campanha para 'agredir ninguém' e que sua chapa é a única que representa a mudança no Estado

Valmar Hupsel Filho, O Estado de S. Paulo

03 de julho de 2014 | 18h51

Atualizado às 22h28 - Carapicuíba - O candidato do PT ao governo de São Paulo Alexandre Padilha disse nesta quinta-feira, 3, que vai adotar um pacto de "não agressão" com todos os candidatos na disputa estadual e não só com Paulo Skaf, do PMDB. "Estou na campanha não é para agredir ninguém, vim aqui apresentar minha candidatura", disse ao chegar na Câmara Municipal de Carapicuíba (SP), onde recebe título de cidadão do município.

O ex-ministro reafirmou ainda que vai se apresentar como o único candidato da mudança em São Paulo, pois segundo ele, existem três candidaturas. Uma que governa o Estado há vinte anos, outra que governou nos vinte anos anteriores e a dele que é "a única que representa a mudança" e que vai governar o Estado em 2015.

A fala de Padilha ocorre após o vice-presidente da República e padrinho da campanha de Skaf, Michel Temer, afirmar em entrevista ao Estado que defende um pacto de não agressão com o petista no Estado, pois ambos os candidatos representariam a aliança nacional entre PT e PMDB.

Com a decisão de última hora do PP paulista de apoiar a candidatura de Skaf, mesmo tendo anunciado meses antes que estaria na chapa do petista, o ex-ministro perdeu um aliado importante ficou enfraquecido para a disputa eleitoral. Com apoio do PP e do PSD, por outro lado, a chapa de Skaf é a que vem demonstrando mais condições de fazer frente à candidatura de Alckmin, que lidera as pesquisas de intenção de votos no Estado. 

Apoio. A entrega do título de cidadão carapicuibano ao ex-ministro Alexandre Padilha, na noite desta quinta-feira, 3, na Câmara municipal do município, transformou-se em um ato em prol do candidato do PT ao governo de São Paulo. Os nove vereadores que discursaram ressaltaram as vantagens de elegê-lo governador.

"Está na hora de trocar um quase médico por um médico de verdade no governo de São Paulo", disse o presidente da Câmara, Abraão Júnior (PT). Joel da Madeireira (PRB) conclamou a população a votar em Padilha. "Com nosso esforço vamos dar a ele a maior quantidade de votos", disse.

O autor da proposta, o vereador André Pimentel (PT) foi além. Disse que "já está formada a chapa". E disse o número que irá usar na campanha à reeleição: 1303. Padilha, que só pode fazer campanha a partir do dia 5, no fez qualquer referência direta à candidatura nem pediu votos. "A partir do dia 13, quando terminar a copa do mundo, voltarei a Carapicuíba para discutir propostas e idéias para o estado de São Paulo".

Tudo o que sabemos sobre:
EleiçõesAlexandre PadilhaPT

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.