Marcos Corrêa/PR
Marcos Corrêa/PR

Otimismo sobe, mas preocupação continua alta, mostra Ipsos

‘Barômetro Político Estadão-Ipsos’ aponta que o número de ‘revoltados’ caiu de 33% para 20% no País

Caio Satori, O Estado de S.Paulo

25 Outubro 2018 | 21h00

O otimismo em relação ao futuro do País, que em setembro era compartilhado por 8% da população, subiu para 14% em outubro. Os dados estão no último Barômetro Político Estadão-Ipsos, divulgado nesta quinta-feira, 25. Por outro lado, a pesquisa mostra que o sentimento de revolta, que antes acometia 25% dos entrevistados, agora está em 20%. O predomínio, porém, continua sendo da “preocupação”, com 58%.

Em relação à eleição, os “revoltados” passaram de 33% para 20% de uma pesquisa para a outra. Já os otimistas foram de 7% para 17%. O entusiasmo e o conformismo seguem no patamar mais baixo dentre as sensações pesquisadas pelo instituto, na casa dos 5%. A margem de erro é de três pontos porcentuais para mais ou para menos.

O instituto também mede mensalmente a desaprovação ao desempenho profissional de figuras públicas – sem relação direta com a eleição e, portanto, não comparável com o índice de rejeição das pesquisas eleitorais. No levantamento do Ipsos, a desaprovação ao trabalho do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) caiu de 64% para 52% em um mês. Já a de Fernando Haddad (PT) subiu cinco pontos e agora é de 55%.

O caso de Haddad, no entanto, tem a ver com o fato de grande parte do eleitorado não saber quem ele era até o mês passado – o petista só foi oficializado na disputa presidencial no dia 11 de setembro. Isso é comprovado pelo aumento que o ex-prefeito registrou também no índice de aprovação, que foi de 25% para 40%, enquanto os que “não sabem” caíram de 25% para 5%. Bolsonaro também viu a aprovação subir: passou de 28% para 44%.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva – condenado e preso em Curitiba – sai desgastado do período. A desaprovação do petista subiu sete pontos de um levantamento para outro: de 51% para 58%. A aprovação caiu de 48% para 40%.

O presidente Michel Temer segue no patamar da pesquisa anterior, com 94% de desaprovação, oscilação de um ponto para cima.  

O Ipsos ouviu 1.200 pessoas em 72 municípios entre os dias 8 e 14 de outubro.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.