Tiago Queiroz/AE
Tiago Queiroz/AE

Os versos em guardanapo do poeta Michel Temer

Com tempo livre nos voos entre São Paulo e Brasília, o vice-presidente encheu de poemas dezenas de lenços de papel; o livro sai no fim do mês

Gabriel Manzano, de O Estado de S.Paulo

14 de janeiro de 2013 | 02h04

Foi há uns oito anos, num voo entre São Paulo e Brasília, que o então deputado Michel Temer (PMDB-SP ) pegou um guardanapo e rabiscou ideias que lhe vieram à cabeça. Era um poeminha curto, e ele o guardou. Desde então, foram tantos voos e tantos guardanapos que sua fama de poeta começou a correr, discretamente, entre os amigos. Ajuntados em grandes envelopes, esses frágeis papéis, alguns já amarfanhados, foram parar na editora Topbooks e o resultado é Anônima Intimidade, um livro de 166 páginas que o vice-presidente lança no dia 31, com ilustrações de Ciro Fernandes.

"Eu não sabia se os versos eram bons, mas os amigos me diziam que sim", avisa o autor, que é também professor de Direito e dono de bem-sucedida carreira no mundo jurídico - seu Elementos de Direito Constitucional já vendeu mais de 200 mil exemplares. "Tive o privilégio de conhecer a obra quando era um conjunto de rabiscos", diz seu velho amigo e assessor Gaudêncio Torquato, cientista político e colunista do Estado. "Outros amigos também apreciaram", diz Temer, "e o Carlinhos gostou tanto que se ofereceu até para escrever o prefácio". Carlinhos, amigo de décadas, é Carlos Ayres Britto, ex-ministro do Supremo Tribunal Federal e também poeta nas horas vagas.

"Cada escrito representava meu eu interior se exteriorizando", resume o autor de seus 120 poemas. E essas exteriorizações vão desfilando em versos curtos, página por página. Às vezes, num tom filosófico, como "O mundo não era eu/ Eu não era o mundo / Dois estranhos contra a minha vontade / Convivendo". Em "Circo", ele faz um balanço da vida: "Somos todos palhaços / Choramos no camarim / Para alegrar-nos / No palco da vida".

Ele se dá momentos de exaltação amorosa: "Assim louco / Vou à procura de ti / Do teu querer / Do amor, da entrega / No ato / E fora dele / Desatino-me". Mais adiante, um olhar sobre o tempo: "Quando parei para pensar / Todos os pensamentos / Já haviam acontecido". Mas também há lugar para bom humor, neste trecho de "Assintonia", que ele mesmo lê e ri: "Lamentavelmente as coisas andam bem / Por isso andam mal os meus escritos".

O apoio crítico parece garantido. O amigo Torquato, que muito o estimulou, define a poesia de Temer como "autêntica, concisa, plena de agudas percepções". O imortal Carlos Nejar, que além da Academia Brasileira de Letras integra a Academia Brasileira de Filosofia, saúda nele "um jurisconsulto do verso, arquitetando metáforas, hipérboles, oxímoros, símbolos".

Tudo o que sabemos sobre:
Michel Temerlivro poesia temer

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.