Adriano Machado/Reuters
Adriano Machado/Reuters

Os que criaram o problema não vão resolvê-lo, diz Marina sobre Centrão e Alckmin

Pré-candidata da Rede voltou a atacar coligação entre tucanos e partidos do Centrão; em entrevista a rádio no interior de São Paulo, lembrou ainda que esses partidos hoje estão no governo de Michel Temer

Rene Moreira, especial para O Estado, O Estado de S.Paulo

24 Julho 2018 | 12h28

SÃO CARLOS - A pré-candidata à presidência da República nas eleições 2018 pela Rede Sustentabilidade, Marina Silva, aproveitou sua passagem pelo interior de São Paulo para criticar o Centrão e o presidenciável do PSDB, Geraldo Alckmin, nesta terça-feira, 24. A ex-ministra relacionou o tucano e o bloco de partidos do DEM, PP, PR, PRB, Solidariedade, ao presidente Michel Temer e à crise.

"Os que criaram o problema não vão resolver o problema", disse à Rádio São Carlos, referindo-se ao candidato do PSDB e ao Centrão.  Marina participará de cinco entrevistas a rádios na cidade paulista e, mais tarde, de uma agenda com a população. Logo na primeira entrevisra, ela relacionou Alckmin a Temer, considerando que os dois têm o apoio do Centrão.

Na segunda-feira, 23, em Piracicaba, a ex-ministra também atacou os adversários que terão a maior parte do tempo de rádio e TV na propaganda política eleitoral - "o condomínio do Alckmin é agora o condomínio que era da Dilma em 2014”, disse ontem.

A presidenciável não poupou também Jair Bolsonaro (PSL), único adversário na disputa que sai na sua frente nas pesquisas de intenção de voto e que lidera as enquetes. "Discordo do Bolsonaro, não vamos resolver a segurança pública distribuindo armas para a população". Ela exemplificou citando que hoje muito policial tem a casa invadida para roubarem a arma. "Então você imagina um cidadão comum achando que vai se defender com a liberação do porte de arma".

Apesar das cutucadas nos adversários, a pré-candidata garante que não quer guerra na campanha eleitoral e que vai combater ideias e não pessoas. "Quero ganhar ganhando, não vou agredir ninguém", afirma.

Marina falou ainda que entende a descrença do povo hoje com a política, mas que anular o voto não é a melhor alternativa. "A gente não pode entregar para os outros o que tem o direito de fazer, o cidadão pode demitir aqueles que iludiram o povo". Para completar em seguida: "Estou persistente, sem persistência a gente não vai mudar".

Marina se diz contrária ao aborto e defende plebiscito

"Sou contra, defendo a vida", disse Marina ao ser questionada por religiosos sobre o aborto. No entanto, ela lembrou que alguns casos, como quando há risco para a gestante, essa prática já é permitida. "Se for mudar além do que existe na lei, defendo que seja feito um plebiscito", justificou.

A passagem de Marina por São Carlos deve ser encerrada à noite com uma palestra no Centro do Professorado Paulista (CPP). A ex-senadora também foi ministra do Meio Ambiente no governo Lula e já disputou a presidência da República duas vezes, nos anos de 2010 e 2014, terminando ambas as eleições na terceira colocação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.