Dida Sampaio/AE
Dida Sampaio/AE

Os olhares atentos para mulher de Cachoeira

Andressa rouba a cena durante sessão da CPI que investiga negócios e relações políticas do contraventor

Eugênia Lopes e Alana Rizzo, de O Estado de S.Paulo,

23 Maio 2012 | 03h06

BRASÍLIA - Agarrada a uma bolsa Chanel, Andressa Mendonça foi, depois de seu marido, a pessoa mais observada na CPI, durante sessão dessa terça-feira, 22. Com os requisitos para transformar-se na "musa da CPI", a mulher de Cachoeira contrastou com a figura do contraventor, que apareceu, depois de mais de dois meses de prisão, abatido e mais grisalho.

Apesar de a curiosidade em torno de Andressa ser grande, nenhum parlamentar se aventurou a puxar conversa com ela, que ficou durante todo o depoimento sentada na última fila do plenário. Afinal, a atual senhora Cachoeira tem em seu currículo o fato de ser ex-mulher de José Wilder Morais, suplente do senador Demóstenes Torres.

Andressa optou por um modelito comportado para assistir à performance do marido na CPI. Em nada lembrou uma outra famosa musa de CPI: Tereza Collor, cunhada do ex-presidente e hoje senador Fernando Collor de Mello (PTB-AL), que arrasou corações em 1992, quando apareceu com uma saia curtíssima na CPI do Collor, ao lado do então marido Pedro Collor.

A mulher de Cachoeira foi bem mais discreta. Magra e com um sapato preto de salto agulha, Andressa vestiu calça comprida preta, blusa off white de mangas, amarrada na cintura com um enorme cinto também preto. Com unhas pintadas de vermelho, exibia a aliança de brilhantes na mão esquerda e um anel com pérola na mão direita. Um relógio dourado complementava os acessórios.

Bem maquiada, ela manteve o sorriso e o cabelo aloirado e bem escovado impecáveis. Ao seu lado, durante toda a sessão, outra loira chamava a atenção: era Lana, irmã de Cachoeira. Do seu lado esquerdo ficou o ex-diretor da Polícia Federal e ex-deputado Vicente Chelotti, hoje assessor parlamentar.

Andressa não falou com ninguém, mas passou parte do tempo trocando mensagens no celular. Andressa também preferiu não opinar sobre o fato de Cachoeira ter se recusado a responder às perguntas dos parlamentares sobre seus negócios e seu suposto envolvimento com os governos de Goiás e do Distrito Federal.

Durante o depoimento do marido, o constrangimento ficou por conta de uma pergunta do senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP), em que ele citava os repasses milionários de Cachoeira à ex-mulher, Andreia Aprigio.

Quando faltavam alguns minutos para terminar a sessão, um advogado a conduziu para fora da sala. Depois que Cachoeira foi embora, Andressa causou confusão ao tentar atravessar o Senado, escoltada por seguranças e advogados do escritório de Márcio Thomaz Bastos. Resultado: a senhora Cachoeira acabou promovendo um "arrastão" pelos corredores do Senado, atropelando misses que foram ontem ao Congresso. "Foi tudo uma decepção. Até a mulher do Cachoeira, que diziam que era belíssima, é uma mulher normal", reclamou o deputado Silvio Costa (PTB-PE).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.