Oposição pede que procuradores investiguem banco

O PSDB entrou ontem com representação no Ministério Público Federal para que investigue a responsabilidade da Caixa Econômica Federal na onda de pânico que levou centenas de pessoas a sacar a verba do Bolsa Família a partir do dia 18.

O Estado de S.Paulo

28 de maio de 2013 | 02h03

Os tucanos pedem que sejam apuradas as responsabilidades administrativa, civil e criminal dos dirigentes do banco estatal.

A representação, encaminhada ao procurador-geral da República, Roberto Gurgel, pede que seja apurado por que o banco liberou os pagamentos sem aviso prévio aos beneficiários. Inicialmente, a Caixa havia dito que a decisão de pagar antes era para minimizar os efeitos do boato sobre o fim do programa. Mais tarde, ela admitiu que de fato adiantara o repasse em maio.

O pedido sustenta que podem ter ocorrido improbidade administrativa e falsidade ideológica. "Os tumultos geraram prejuízos materiais ainda incomensuráveis às agências afetadas (...) Não se pode mensurar o dano moral (coletivo) que essas pessoas sofreram, ante os boatos aterrorizantes", afirma o pedido de Aloysio Nunes (SP) e Álvaro Dias (PR), líder e vice-líder do partido no Senado.

Em outra frente, os dois senadores pedem que o presidente da Caixa, Jorge Hereda, vá à Comissão de Fiscalização e Controle do Senado. O convite pode entrar hoje cedo na pauta da comissão. O líder do PT no Senado, Wellington Dias (PI), afirmou que não vai impedir a aprovação do convite. "Pretendo dar o esclarecimento necessário a quem quer que seja", disse Hereda. / RICARDO BRITO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.