Oposição cobra apuração e quer convocar ministro

A oposição cobrou ontem investigação sobre a denúncia de fraude em uma obra de mobilidade urbana em Cuiabá (MT) para a Copa do Mundo de 2014. O PSDB acionou o Ministério Público Federal do Distrito Federal, enquanto o PPS quer uma análise do Tribunal de Contas da União (TCU) sobre o caso. Deputados e senadores oposicionistas querem ainda ouvir o ministro das Cidades, Mário Negromonte.

EDUARDO BRESCIANI , BRASÍLIA / ESTADAO.COM.BR, O Estado de S.Paulo

25 de novembro de 2011 | 03h08

O líder do PSDB na Câmara, Duarte Nogueira (SP), representou junto ao MP pedindo inquérito contra Negromonte e quatro servidores da pasta para apurar a existência de crime de improbidade administrativa. Foi pedido o afastamento do cargo de todos eles. Para Nogueira, a fabricação de outro parecer com o mesmo número do original, de teor contrário, visa ocultar provas de irregularidades.

"A ação de adulterar os documentos técnicos elaborados por servidores públicos deixa claro que os representados estão agindo de forma a fazer desaparecer provas de suas ilegalidades. Assim, há evidente receio de que as provas dos ilícitos praticados sejam destruídas, pois os representados já são useiros e vezeiros na prática de fazer desaparecer documentos", diz trecho da representação.

O PPS, por sua vez, acionou a Comissão de Fiscalização e Controle da Câmara com um pedido para que o TCU também investigue a denúncia. O pedido precisa ser aprovado pela comissão.

No Senado, o líder do PSDB, Alvaro Dias (PR), pediu que o ministro compareça à Casa para dar explicações. Governista, o senador Pedro Taques (PDT-MT) solicitou informações ao ministério e manifestou dúvidas sobre a lisura no processo que levou à escolha da construção do VLT em Cuiabá.

Pelo Twitter, o presidente do PSDB, Sérgio Guerra, disse que a marca do governo Dilma Rousseff é uma "sucessão inacreditável de denúncias de corrupção".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.