Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

ONU apela para que diferenças políticas no Brasil não sejam resolvidas pela violência

Diante de ataque contra Bolsonaro, escritório de Direitos Humanos da ONU pede "diálogo" no País

Jamil Chade, O Estado de S.Paulo

07 Setembro 2018 | 06h26

GENEBRA - Após ataque ao candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, e diante de um clima de tensão política, o Alto Comissariado da ONU para Direitos Humanos apela ao "diálogo" no Brasil. 

Bolsonaro foi esfaqueado na quinta-feira, 6, quando participava de uma agenda de campanha em Juiz de Fora (MG). Líder nas pesquisas de intenção de votos, Bolsonaro era carregado na região central da cidade quando foi golpeado na altura do abdome por seu agressor, identificado como Adelio Bispo de Oliveira, de 40 anos, que foi preso.

"Soubemos do ataque ao candidato ontem (quinta-feira)", disse Ravina Shamdasani, porta-voz do Alto Comissariado da ONU, durante uma coletiva de imprensa em Genebra nesta sexta-feira. 

"Entendemos que ele está se recuperando e nossos pensamentos estão com ele e sua família. Também entendemos que o incidente está sendo investigado", afirmou Ravina. 

O atentado teve uma ampla repercussão na imprensa internacional, que destacou o clima de tensão e ódio durante a campanha eleitoral no Brasil. Além do ataque contra Bolsonaro, incidentes com caravanas do PT e mesmo a morte da vereadora Marielle Franco foram citados como exemplos do clima de violência no País. 

"Pedimos que quaisquer diferenças em opiniões políticas sejam resolvidas pelo diálogo, e não pela violência, em qualquer ambiente eleitoral. E o Brasil não é uma exceção", apelo Ravina. 

Na quinta-feira, o ministro da Defesa, general Joaquim Silva e Luna, disse ao Estado estar "muito preocupado com a crescente intolerância" no País. Para Silva e Luna, essa intolerância está causando "apreensão a todos que têm responsabilidade com a garantia da estabilidade das instituições, da lei e da ordem".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.