Ônibus muda vida dos estudantes

Alunos driblam dificuldades para chegar à escola

ALINE RESKALLA , ESPECIAL PARA O ESTADO, O Estado de S.Paulo

21 Abril 2013 | 02h07

O estudante Ryan Rodrigues Cunha, 12 anos, já perdeu a conta das vezes em que precisou ir à escola de bicicleta, passando por uma perigosa rodovia, ou teve de ficar em casa porque a van do transporte escolar não passou. "É muito perigoso", disse. Ele mora num bairro afastado do município de Alpercata, região mineira do Vale do Aço, e depende do serviço público para se deslocar até a escola, que fica no centro da cidade de 7 mil habitantes.

"As vans são muito velhas e, na maioria das vezes, eu vou em pé porque ficam cheias", contou ao Estado o filho da auxiliar de serviços gerais Alba Márcia Rodrigues, 33 anos. Segundo Alba, mesmo precário, é graças ao transporte público que o filho estuda. Ela acredita que a chegada de dois novos veículos - um micro-ônibus e um ônibus - anunciada pela presidente Dilma Rousseff na semana passada vai melhorar o serviço.

Inquieto, o prefeito Valmir Faria (PSD) disse que não entende porque o "presente" ainda não chegou ao município. Mesmo assim, ele está animado porque a prefeitura vai economizar cerca de R$ 12 mil por mês. "Vamos dispensar cinco Kombis que são terceirizadas", explica ele.

Na Escola Estadual Nossa Senhora de Fátima, onde Ryan estuda, 254 dos 592 alunos dependem do transporte escolar, afirma o funcionário da secretaria Antônio Eustáquio de Oliveira.

Além de Alpercata, 12 cidades mineiras foram contempladas com novos veículos para o transporte escolar. A presidente Dilma Rousseff entregou simbolicamente os ônibus aos 13 prefeitos na terça-feira, em Ribeirão das Neves, na região metropolitana de Belo Horizonte.

Caparaó, localizada na Zona da Mata Mineira, tem pouco mais de 5 mil habitantes e também depende do serviço de transporte escolar para que as crianças e adolescentes carentes possam estudar, especialmente os moradores do campo. A cidade ganhou um ônibus escolar do governo federal, mas o prefeito Cristiano Ferreira da Costa (PSDB) acha pouco. "Chegou em boa hora, mas um ônibus só não resolve, precisamos de muito mais", reivindica o tucano. O prefeito afirma que atualmente dispõe de apenas três veículos para o transporte escolar do município. "Nós passamos muito aperto para atender todo mundo."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.