OAB-SP escolhe novo presidente nesta quinta

Marcos da Costa, Alberto Toron e Ricardo Sayeg disputam votos de 250 mil advogados no Estado

Isadora Peron, de O Estado de S.Paulo

29 de novembro de 2012 | 02h02

Ao fim de três meses de uma campanha tensa, marcada por ataques mútuos e ações na Justiça, três candidatos concorrem hoje à presidência da Ordem dos Advogados do Brasil - seção São Paulo. Tendo o apoio do atual presidente, Luiz Flávio D'Urso, o advogado Marcos da Costa disputa com os oposicionistas Alberto Toron e Ricardo Sayeg os votos de 250 mil advogados aptos a votar em todo o Estado.

Já no início da campanha Toron e Sayeg tiveram de recorrer à Justiça para ter acesso à lista de e-mails dos advogados cadastrados na Ordem. Alegavam que Costa, que foi presidente interino entre junho e outubro - quando D'Urso foi candidato a vice-prefeito na chapa de Celso Russomanno (PRB) -, apossou-se do cadastro para fazer contato com os eleitores. "Só ontem (anteontem) conseguimos acesso à lista", disse Sayeg ao Estado. Ele promete, se eleito, "reconciliar a advocacia com a população".

Costa foi também à Justiça, acusando Toron de falsidade ideológica - pois ele se apresentava como professor da PUC-SP, da qual havia sido demitido. Toron foi acusado também de se aproveitar do mensalão, onde defendeu João Paulo Cunha, para aparecer na mídia.

Toron, que criticou o uso da máquina pelo candidato da situação, disse que seu primeiro ato, se eleito, será dar transparência à Ordem. Ele também criticou o atual presidente de "usar a Ordem como trampolim político", como candidato a vice-prefeito.

Costa nega o clima de tensão e diz que seu único objetivo na campanha foi fazer um balanço das realizações do antecessor e apresentar suas propostas - entre as quais destaca a valorização da categoria. "Se me eleger, serei o presidente de todos os advogados", garantiu o candidato.

Tudo o que sabemos sobre:
OABadvogadosjustiça

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.