Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão
Imagem Eliane Cantanhêde
Colunista
Eliane Cantanhêde
Conteúdo Exclusivo para Assinante

O ‘liberal’ Moro quer os náufragos de PT, PSDB e Bolsonaro

Ex-juiz usa a Lava Jato para atrair milhões de eleitores que ainda dão prioridade ao combate à corrupção

Eliane Cantanhêde, O Estado de S.Paulo

19 de novembro de 2021 | 03h00

Durante décadas o PT usou o combate à corrupção, à fome e à pobreza como sua grande bandeira e o presidente Jair Bolsonaro se elegeu em 2018 com um falso personagem a favor do liberalismo econômico e contra a corrupção, a “velha política”, o “sistema”.

Lula foi condenado e preso, Bolsonaro se enrolou com rachadinhas e entregou a alma do governo ao Centrão, a Lava Jato foi enterrada sem choro nem vela e o combate à corrupção saiu de moda, da pauta, do discurso político e das manchetes.

É exatamente nesse vácuo que entra o ex-juiz e ex-ministro Sérgio Moro na eleição de 2022. Pelo óbvio: apesar de todos os solavancos da Lava Jato, grande parte do eleitorado não esqueceu e Moro continua sendo um ícone do combate à corrupção.

Em suas “intensas trocas de mensagens” pelas madrugadas com Valdemar Costa Neto, Bolsonaro reclama que o PL é aliado de vários dos seus adversários nos Estados. Já em público, ele tenta dourar a pílula, dizendo que ele e Costa Neto querem é “acertar o discurso” sobre as pautas conservadoras, internacionais e de defesa.

Afora o fato de que Bolsonaro não entende bulhufas de política externa e de defesa, o curioso é não incluir corrupção entre as pautas. Seria bem interessante uma “intensa troca de mensagens” sobre corrupção entre ele e Costa Neto, preso no mensalão e investigado na Lava Jato.

Do outro lado, o ex-presidente Lula provocou um contraste gritante entre seu próprio giro internacional e as viagens de Bolsonaro, mas também não toca mais, nem quer ouvir falar, em combate à corrupção. 

Bolsonaro foi a Nova York com uma comitiva enorme, comeu pizza (não Pisa...) na rua e defendeu cloroquina na ONU, sem nenhum encontro bilateral relevante. Depois, ignorou a COP-26 e passou vexame no G20. Não sabia nada sobre os líderes e os temas. Nem apareceu para a foto oficial.

E, enquanto Bolsonaro desfilava pelos Emirados Árabes, Lula discursou no Parlamento Europeu, conversou com Emmanuel Macron, da França, Olaf Sholz, substituto de Angela Merkel na Alemanha, e o ex-primeiro-ministro da Espanha José Luiz Zapatero. Hoje se encontra com o atual, Pedro Sanchez. Fala de fome, miséria e avanço da direita internacional, sem um A sobre corrupção.

Assim, Moro constrói uma imagem de liberal na política e na economia (com Affonso Celso Pastore), mas usa a Lava Jato para atrair milhões de eleitores que ainda dão prioridade ao combate à corrupção. Aliás, como boa parte dos militares. Não foi à toa que o general Hamilton Mourão disse que Moro é o “principal candidato da terceira via”. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.