'O governo não condena; o governo coíbe', diz Dilma

Em Montevidéu, no Uruguai, para a reunião da Cúpula do Mercosul, a presidente Dilma Rousseff afirmou que o papel do governo federal nas manifestações é o de coibir, não o de condenar.

Ariel Palacios, João Villaverde, Leonencio Nossa, O Estado de S.Paulo

12 de julho de 2013 | 02h01

"Eu considero que, em qualquer manifestação onde haja interrupção de rodovias e se tenha atos de violência, eles (os responsáveis) têm de ser condenados. Mas o governo não condena, o governo coíbe. Tomamos várias providências no sentido de não permitir o fechamento de estradas", disse.

Ela tentou transmitir tranquilidade com a situação. "O Brasil é um país tão forte em termos democráticos que consegue conviver de forma muito positiva com as manifestações."

Na capital federal, os protestos foram fracos. Com meta de reunir 5 mil pessoas, a manifestação organizada pelas centrais sindicais na Esplanada dos Ministérios reuniu cerca de 700 participantes, conforme a Polícia Militar do Distrito Federal. Na prática, o evento teve um militante para cada policial deslocado pela Secretaria de Segurança. Mesmo dispensados de ministérios e autarquias pela manhã, os servidores não engrossaram os protestos.

Tudo o que sabemos sobre:
protestoprotestos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.