'O governador apostou em um projeto de enfrentamento'

O senador Humberto Costa, médico e jornalista de 55 anos, reconhece que enfrenta uma campanha difícil. Foi secretário de Saúde do ex-prefeito João Paulo (PT), seu candidato a vice e secretário das Cidades do governador Eduardo Campos (PSB), que agora é seu adversário político. Ministro da Saúde do governo Lula, teve o nome envolvido no escândalo dos sanguessugas e em fraude na contratação de hemoderivados, mas o Ministério Público Federal concluiu que ele não teve participação no esquema.

O Estado de S.Paulo

10 de setembro de 2012 | 03h05

Valeu a pena entrar na disputa pela prefeitura?

Com certeza. Assumi essa candidatura como missão partidária, um pedido do presidente Lula, da presidenta Dilma, mas também com o espírito de continuar um projeto que começamos em 2001.

Tinha expectativa de que houvesse unidade no PT?

Tinha convicção de unidade da Frente Popular. Depois que fui escolhido, o governador passou a alegar que o PT tinha brigado demais e lançou a candidatura do PSB. Apostou em um projeto de enfrentamento.

É difícil ser candidato do partido de um prefeito mal avaliado?

É difícil. O que vale é que uma parcela importante do eleitorado percebe a diferença: uma coisa é o PT, e outra coisa é ele (o prefeito João da Costa). Por um lado somos governo, então não posso fazer o discurso fácil da oposição. / L. N. L.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.