'O Estado me deve', defende-se Russomanno

Processado por peculato, o candidato à Prefeitura de São Paulo Celso Russomanno (PRB) declarou que o Estado brasileiro lhe "deve", por causa do seu trabalho em defesa do consumidor. "Se a gente fosse colocar no papel, o Estado me deve uma quantia imensa, porque todo o trabalho que eu fazia era a substituição da obrigação do Estado." O depoimento consta do último interrogatório do ex-deputado federal nos autos da ação penal que investiga o uso de dinheiro público para pagar salários de Sandra de Jesus Nogueira, funcionária de sua produtora.

ALANA RIZZO / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

17 de setembro de 2012 | 03h05

O candidato afirma que pagava do próprio bolso os empregados da produtora Night and Day.

O candidato foi interrogado em junho pelo juiz federal Vallisney de Souza Oliveira, da 10.ª Vara Federal em Brasília. No depoimento, acusa ainda parlamentares de embolsar a verba indenizatória. Por isso pediu que o magistrado incluísse um relatório de despesas com verba indenizatória e os valores devolvidos por seu gabinete na Câmara dos Deputados. Russomanno foi deputado federal por quatro mandatos. "Quero mostrar a minha seriedade com a vida pública."

Em junho, a defesa de Russomanno pediu rapidez no julgamento por causa das eleições. Na última semana, o juiz federal autorizou a quebra de sigilo fiscal da produtora de Russomanno e determinou que a Secretaria Municipal de Finanças de SP esclareça os montantes de ISS recolhidos pela produtora e forneça cópia dos autos de infração da empresa. O objetivo é mostrar se a empresa estava inativa na época da contratação da funcionária, como sustenta a defesa. Sandra foi nomeada assessora do gabinete de Russomanno em 1997, mas o MPF acredita que ela continuou prestando serviços para a produtora. A assessoria de imprensa de Russomanno não retornou as ligações do Estado.

Tudo o que sabemos sobre:
eleiçõesRussomanno

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.