NUNO GUIMARÃES/FRAMEPHOTO
NUNO GUIMARÃES/FRAMEPHOTO

'O criminoso precisa ser responsabilizado com mais rigor', afirma Flávio Rocha

Pré-candidato à presidência da República defende punições mais rigorosas

Vinícius Rangel, especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

23 de abril de 2018 | 23h28

VITÓRIA - O pré-candidato à Presidência da República, Flávio Rocha (PRB), defendeu nesta segunda-feira, 23, punições mais rigorosas para criminosos no Brasil. Questionado sobre a atual situação da segurança pública, o empresário afirmou que "criminoso tem que pagar pelo crime que cometeu com mais rigor". O tema foi debatido durante o lançamento do Simpósio Brasil 200, um movimento fundado por Rocha que traz como bandeira a defesa do livre mercado. A segurança pública, no entanto, foi um dos assuntos debatidos no evento.

+ Preso, Lula diz em carta que PT pode ficar à vontade sobre candidatura

"Se (o criminoso) cometeu um crime, não pode ficar impune como vemos hoje. A nossa polícia está sendo atacada. Precisamos reagir. Precisamos proteger quem nos protege. Queremos leis de execuções penais mais rigorosas", afirma o pré-candidato.

+ Política Estadão: Saiba quem são os pré-candidatos ao Planalto

Sobre economia e geração de empregos, Rocha disse que o País tem que "gerar e não destruir" empregos. Acompanhado de vários líderes capixabas, o empresário discutiu propostas e enfatizou sua atuação no mercado. “Sou o décimo sexto maior gerador de empregos desse País. Temos que manter isso, continuar a empregar novas pessoas para termos uma economia que circule. Não devemos pensar em reduzir eles. Eu vou fazer o melhor para que essa situação melhore”, enfatizou. Rocha é dono das Lojas Riachuelo.

ALMOÇO COM GOVERNADOR

O presidenciável também se reuniu com o governado capixaba e possível candidato à reeleição do cargo, Paulo Hartung (MDB). O assunto seria o mesmo debatido com o presidente do PRB no ES, Roberto Carneiro: uma possível aliança com o emedebista. Flávio é tido por alguns políticos, como aquele que tem aproximado os dois partidos. Porém, ele deixou claro que lançar uma candidatura própria de um novo governador no território capixaba também não estaria fora dos planos de Rocha.

+ Marco Aurélio diz a Cármen que ações contra prisão em segunda instância estão prontas para julgamento

“Durante o nosso almoço o governador me pareceu ser uma pessoa bastante disposta e com boas ideias para melhorar o Estado. Na reunião com o presidente do partido discutimos muito a possibilidade de lançarmos um candidato próprio aqui no Espírito Santo para concorrer a vaga de governador, caso não haja nenhum acordo fechado com o atual líder”, afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.