Divulgação
Divulgação

Número de doadores cresce 10% nas eleições 2018

Valor doado, porém, caiu em mais de um terço, segundo levantamento feito pelo 'Estado' com base nas prestações de contas enviadas ao TSE

Camila Turtelli e Thiago Faria, O Estado de S.Paulo

18 de outubro de 2018 | 05h00

BRASÍLIA - Na primeira eleição geral sem a doação de empresas, o número de eleitores que se dispuseram a colocar a mão no bolso por algum candidato aumentou 10% em relação à disputa de 2014. O valor doado, porém, caiu em mais de um terço, segundo levantamento feito pelo Estado com base nas prestações de contas enviadas ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

A dez dias do fim do segundo turno, 152 mil pessoas doaram algum valor para financiar campanhas, o que somou R$ 450,2 milhões. Em 2014, foram 138 mil doadores (pessoa física) que repassaram às campanhas R$ 708,9 milhões, em valores atualizados. Como ainda há 36 candidatos em disputas de segundo turno, o número de doadores pode aumentar, mas dificilmente chegará próximo do que foi há quatro anos. 

A possibilidade de doar por meio de “vaquinhas” online, novidade na disputa deste ano, teve adesão de mais da metade dos que se dispuseram a financiar candidaturas. O valor, porém, representou apenas 3% das doações de pessoas físicas.

Para analistas, o teto de gastos definido para as candidaturas foi um dos motivos para essa redução de valor e também para o menor custo das campanhas eleitorais. Em 2014, a campanha presidencial pela reeleição de Dilma Rousseff (PT) declarou despesas de R$ 350 milhões – a mais cara desde a redemocratização, em 1985. A de Aécio Neves (PSDB) declarou R$ 227 milhões. Neste ano, os candidatos à Presidência puderam gastar no máximo R$ 70 milhões no primeiro turno e, agora, podem empenhar mais R$ 35 milhões no segundo.

Este teto variou de acordo com os cargos. Para deputados estaduais foi de R$ 1 milhão e, federais, R$ 2,5 milhões. Além disso, foi estabelecido para doadores teto de 10% da renda de pessoa física.

O analista político Marcelo Pimentel avalia que, além da mudança da legislação, outro fator foi a Lava Jato. “A operação despejou muita atenção sobre grandes doadores e levantou muitas suspeitas sobre as motivações de grandes doações. Ela provavelmente diminuiu a propensão dos grandes doadores de participar e intimidou parte do eleitorado”, afirma Pimentel.

‘Vaquinha’. Especialista em financiamento coletivo pela internet, o coordenador da empresa O Bando, Felipe Caruso, afirma que a diminuição do valor doado era esperada. Por outro lado, ressalta que a popularização das “vaquinhas” online ajudou a elevar o número de doadores.

Pimentel afirma que o atual contexto político também contribuiu para estimular as pequenas doações. Em 2014, 37 mil pessoas fizeram doações de até R$ 500. Neste ano, esse número cresceu para 82 mil pessoas. “Pode ser que os doadores tenham se engajado a participar contribuindo, mesmo que com pequenas quantias, para os atores que se colocaram como contrários à política tradicional.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.