Novo ministro tentou beneficiar a mãe, além da irmã

Aguinaldo Ribeiro pediu à pasta das Cidades, que assumirá, para turbinar o Minha Casa, Minha Vida no município onde sua mãe é prefeita

RICARDO BRITO / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

03 de fevereiro de 2012 | 03h05

Recém-confirmado ministro das Cidades, o líder do PP na Câmara, Aguinaldo Ribeiro, trabalhou para repetir uma prática de seu antecessor Mário Negromonte: direcionar programas para beneficiar politicamente a família. Em maio do ano passado, o líder do PP enviou uma indicação para Negromonte incrementar o programa Minha Casa, Minha Vida em Pilar (PB), município distante 55 quilômetros da capital João Pessoa que é administrado por sua mãe, Virgínia Maria Veloso Borges. O Ministério das Cidades, agora comandado por Aguinaldo, é responsável pelo programa.

É a primeira denúncia contra Aguinaldo já como ministro. Antes, quando seu nome ainda era cotado, conforme o Estado revelou na edição de ontem, ele destinou cerca de R$ 800 mil emendas para a cidade de Campina Grande, na Paraíba, onde sua irmã é pré-candidata a prefeito.

"Com o incremento do Minha Casa, Minha Vida no município de Pilar-PB, diversas famílias de baixa renda dessa região conseguirão realizar o sonho de ter a casa própria - que muitas vezes é um sonho de uma vida inteira", afirmou Ribeiro, na indicação enviada ao ministério. O pedido do novo ministro, porém, não teve prosseguimento: está parado desde então com a ministra Gleisi Hoffman, na Casa Civil.

Em sua primeira entrevista, após se reunir com a presidente Dilma Rousseff, no Palácio do Planalto, o novo ministro negou que tenha favorecido sua irmã, Daniella Ribeiro, com a destinação de emendas individuais no valor de R$ 780 mil para Campina Grande. "Isso não tem o menor fundamento", desabafou o ministro. "Eu sou parlamentar e a prerrogativa do parlamentar é colocar as suas emendas para o seu estado, para a sua terra", declarou ele, ao ser questionado sobre o favorecimento.

Ele explicou ainda que os recursos referentes às emendas foram colocados no orçamento para ainda serem executados ao longo deste ano. "Isto nós colocamos no orçamento, para ser executado ainda este ano", completou, sem querer se estender mais sobre o assunto.

O município de Pilar rendeu ao ministro uma das maiores votações proporcionais quando foi eleito. Dos 6.462 votos válidos no município administrado pela mãe, ele obteve 1.628 votos - 25% do total. Desde o início da tarde, a reportagem do Estado entrou em contato com o líder do PP, no celular, via assessoria de imprensa e no gabinete, mas não obteve retorno. Também não localizou Virgínia nos telefones da prefeitura.

Irmã. Na edição de ontem, o Estado revelou que Aguinaldo Ribeiro favoreceu no Orçamento de 2012 Campina Grande, curral eleitoral de sua irmã, a deputada estadual Daniella Ribeiro (PP).

Segundo colégio eleitoral do Estado, com forte influência política da família do ministeriável, a cidade foi contemplada com três emendas individuais do deputado, que somam R$ 780 mil, para obras de saúde e educação.

Duas delas visam a destinar R$ 450 mil do Fundação Nacional de Saúde (Funasa) para serviços nos hospitais Escola e Pedro I. A terceira, de R$ 330 mil, é para a aquisição de equipamentos para o Centro de Humanidades da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), um dos nichos de campanha de Daniella, que é professora universitária.

Em seu primeiro mandato na Câmara, o deputado emplacou 12 emendas ao Orçamento de 2012, cuja soma alcança R$ 15 milhões, para programas de sete ministérios. A maioria não traz a indicação da cidade de destino, o que significa que Campina Grande pode ser beneficiada com mais dinheiro.

Uma das emendas, de R$ 2,6 milhões, é para a pasta das Cidades - hoje nas mãos do PP e agora comandada por Aguinaldo. A verba está prevista na Política Nacional de Desenvolvimento Urbano para "ações de infraestrutura urbana em municípios da Paraíba".

A liberação das emendas se dará ao longo do ano, a critério do governo federal. Por ora, não há empenho (compromisso de pagamento) para nenhuma delas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.