Novo ministro prega unidade do partido

O novo ministro Brizola Neto tem como primeiro desafio unificar o PDT, ainda resistente à escolha de seu nome para a pasta. Assim que a escolha foi confirmada, Brizola Neto começou a conversar com os parlamentares de seu partido em busca de unidade. Uma reunião com a bancada deverá acontecer na próxima semana, depois da posse formal, marcada para quinta-feira.

DENISE MADUEÑO / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

01 Maio 2012 | 03h04

"O fundamental é a unidade do partido e acabar com qualquer tipo de insatisfação", disse. O ministro ressaltou que o PDT sempre deu demonstrações de apoio ao governo e ao programa desenvolvido pela presidente Dilma Rousseff. "Não teremos grandes dificuldades em seguir o projeto de unidade do partido", previu. Segundo ele, o compromisso de todos é com a identidade do partido com o governo e com o projeto que representa o governo Dilma.

"Existe uma identidade muito grande do partido com o governo e essa questão do Ministério do Trabalho tem um simbolismo muito grande para nós. O clima é de muita cordialidade e de disposição de colaborar", disse o novo ministro.

Ainda como ministro nomeado mas não empossado, Brizola Neto vai participar hoje em São Paulo do ato em comemoração ao Dia do Trabalho promovido pelas centrais sindicais. Embora não tenha o respaldo de toda a bancada, o ministro obteve apoio dos sindicalistas para ocupar o posto.

Sobre os contratos com as organizações não governamentais, que levaram à queda de Lupi, ele disse que as ações adotadas pelo governo têm sido no sentido de fortalecer a estrutura permanente do Estado, retirando atribuições do terceiro setor, como são classificadas as ONGs. Como exemplo ele citou o Pronatec, o programa de ensino técnico do governo federal. "São mudanças que o próprio governo já tomou", disse Brizola Neto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.