Imagem Vera Magalhães
Colunista
Vera Magalhães
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Novo começo de era?

Disputa em São Paulo mostra que tutela de padrinhos é dispensável

Vera Magalhães, O Estado de S.Paulo

18 de novembro de 2020 | 03h00

É redutor atribuir o bom nível do debate entre Bruno Covas e Guilherme Boulos ao fato de serem dois políticos moderados. O adjetivo é impreciso para rotular dois políticos com características, trajetórias e propostas tão distintas.

Além do que, avaliar suas chances e seus projetos para São Paulo a partir de uma palavra tão vaga não faz jus ao momento rico e importante que a improvável eleição da pandemia acabou por provocar.

Covas é um político de centro. As circunstâncias dos diferentes momentos de sua carreira política – deputado, vice-prefeito, prefeito – mexeram esse ponteiro ora para a centro-esquerda, ora para a centro-direita.

Apostou, quando assumiu a cadeira de prefeito, que, no embalo da eleição de Jair Bolsonaro e do próprio João Doria, enfrentaria um adversário da direita neste ano.

Vestiu um figurino de social-democrata a partir dessa avaliação, e procurou se distinguir do “Bolsodoria”, o personagem que seu correligionário vestiu em 2018, e rapidamente caiu em desuso depois da posse.

O drama pessoal que viveu e a pandemia foram novas oportunidades para Covas procurar mostrar personalidade dentro do PSDB paulista, resgatando a imagem do avô, inclusive. 

Muitos imaginaram que, diante da ida ao segundo turno contra Boulos, um candidato de esquerda, ele flertaria com o discurso de direita para atrair os bolsonaristas. Houve, inclusive, ensaios dessa mutação no discurso logo após a posse, quando ele classificou Boulos três ou quatro vezes de “radical” e fez uma exortação à “lei e à ordem”.

Mas, a partir desta segunda-feira, a ordem no comitê era manter o tom sereno, por vezes gélido, que ele demonstrou no primeiro turno. Um gesto neste sentido foi telefonar para Boulos para pedir desculpas por uma ofensa de um aliado.

E o candidato do PSOL? Moderado ou radical? Ele mesmo refuta o primeiro adjetivo e qualifica o segundo: gosta de dizer que é radicalmente diferente do PSDB em doutrina social e econômica.

Mas Boulos demonstra que mudou desde os primórdios de sua atuação à frente do MTST: refinou conceitos, estudou a cidade, compreendeu a necessidade de construir pontes para alcançar objetivos. Isso nada tem de exótico: é o caminho natural dos políticos e dos partidos quando enfrentam sucessivas eleições e amadurecem.

O risco, para ambos, é serem tragados para as caricaturas deles mesmos e de seus partidos por aliados mais interessados em usá-los como cavalos de Troia para os próprios projetos que em contribuir com sua eleição.

Ambos prescindiram de padrinhos no primeiro turno, por motivos distintos. No caso de Covas, andar com Doria era ruim eleitoralmente, dada a rejeição do governador na cidade.

Para Boulos foi meio falta de opção. A candidatura de Jilmar Tatto impediu Lula de apoiá-lo. Mas, na primeira hora, quando as urnas não saíam do 0,39% apuradas, o cacique petista já tratou de pular em cima do palanque do candidato do PSOL, avistando nele uma chance de reduzir o tamanho da derrota do PT.

Doria também já ensaiou o discurso de que o resultado em São Paulo aponta para a viabilidade da “frente ampla”, um papo lá para 2022 e que interessa só a ele.

Covas e Boulos demonstrarão maturidade se recusarem a tutela de padrinhos. Uma característica nacional desta eleição foi a renovação geracional mais qualitativa, diferente da horda de youtubers de 2018. 

Ambos têm um futuro político promissor pela frente se souberem entender o que seus partidos e seus campos políticos fizeram de errado para causar repulsa no eleitor. Isso tem menos a ver com conceitos como esquerda e direita, moderado ou radical, que com práticas políticas e de gestão e propostas para o País e a sociedade. Até aqui, a eleição de São Paulo é um alento nesse sentido.

* EDITORA DO BR POLÍTICO E APRESENTADORA DO PROGRAMA RODA VIVA, DA TV CULTURA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.