Novidades podem render votos para aliados em 2012

Análise: João Domingos

O Estado de S.Paulo

28 de dezembro de 2011 | 03h05

A portaria assinada pelo ministro das Cidades, Mário Negromonte, com novas regras para o Programa Minha Casa, Minha Vida 2 tem tudo para render bons dividendos eleitorais para os partidos da base do governo nas eleições municipais do ano que vem, nos municípios do País com até 50 mil habitantes.

De acordo com o Censo 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), estão no limite de até 50 mil habitantes 4.986 dos 5.564 municípios, um porcentual de 89,61% das cidades brasileiras.

A contratação da construção das unidades habitacionais vai também injetar muito dinheiro nos municípios menores. Como o valor do imóvel para a baixa renda é de R$ 55.188,00, a construção das 110 mil unidades resultará em um repasse de pelo menos R$ 6,1 bilhões para as cidades beneficiadas com o programa.

Para o ano que vem, o Orçamento da União reservou R$ 11,1 bilhões para o Minha Casa, Minha Vida. Mas o Ministério do Planejamento espera conseguir mais R$ 5 bilhões, o que elevaria os investimentos nesse programa social - forte bandeira do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) - para R$ 16 bilhões.

Desde a semana passada, o governo federal está anunciando fortes investimentos nos municípios do País de até 50 mil habitantes. No dia 22, na última cerimônia realizada no Palácio do Planalto antes de sair de férias e viajar para a Praia de Aratu (BA), a presidente Dilma Rousseff anunciou obras de saneamento da segunda fase do PAC em 1.116 cidades de até 50 mil moradores. A contratação soma R$ 3,7 bilhões em investimentos federais.

Os recursos são do Orçamento da União (R$ 2,6 bilhões) e de Financiamento Público Federal (R$ 1,1 bilhão) e serão usados em 1.144 obras de abastecimento de água e esgotamento sanitário, porque alguns municípios terão mais de um projeto em execução. Somados aos R$ 6,1 bilhões do Minha Casa, Minha Vida 2, serão quase R$ 10 bilhões injetados nas cidades menores no ano que vem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.