Divulgação/ Ministério Público Eleitoral de São Paulo
Divulgação/ Ministério Público Eleitoral de São Paulo

Nove dos 34 partidos destinaram verba mínima para candidatas a deputada federal em São Paulo

Tribunal Superior Eleitoral obriga siglas a encaminhar 30% dos recursos para candidaturas femininas

Redação, O Estado de S.Paulo

06 Outubro 2018 | 10h56

O Ministério Público Eleitoral em São Paulo revela que apenas nove dos 34 partidos políticos encaminharam 30% da verba para campanhas femininas à Câmara dos Deputados. A destinação da quantia às mulheres é uma determinação do Tribunal Superior Eleitoral.

Os dados, compilados até quarta-feira, 3, mostram um retrato do momento atual da campanha, às vésperas do primeiro turno. Todas as informações foram repassadas pelos próprios partidos ao TSE. O levantamento permite também ver a concentração do dinheiro e qual o porcentual de candidaturas que não recebeu nenhum recurso, o que pode indicar fraude. Há partidos, por exemplo, que usaram metade do recurso na disputa feminina, mas 80% das candidatas não receberam nenhum centavo.

Promotores do Ministério Público Eleitoral estão ouvindo candidatas para apurar a real situação das campanhas proporcionais. Os partidos podem fazer ajustes nas prestações de contas até novembro. A tabela, elaborada pelo MPE-SP, mostra o número de mulheres que receberam dinheiro e a porcentagem direcionada à elas por cada partido político.

O levantamento é feito levando em consideração a transferência de recursos dos partidos para as candidaturas, tanto em financiamento direto quanto em serviços de valor estimável. O trabalho está sendo coordenado pela promotora de Justiça Vera Lúcia Taberti. Ela foi designada para atuar na Procuradoria Regional Eleitoral de São Paulo nas eleições 2018.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.